Cidadeverde.com
Cidades

Corpos são achados carbonizados e polícia suspeita que seja de padrasto e enteada

Imprimir

Foto: PortalB1/Alessandro Guerra

Dois corpos foram encontrados completamente carbonizados dentro de um matagal por populares, na zona rural de Riacho Frio (a 865 km de Teresina). No local, foi encontrado um brinco e mechas de cabelo comprido o que levaram a crer que um dos corpos seriam supostamente de uma mulher. 

O comandante do 7º Batalhão da PM, localizado em Corrente, major Marlon Hortêncio, informou que os populares acionaram a polícia quando viram a fogueira estranha, ontem (08) por volta das 10 horas da manhã. 

“Os policiais do GPM pediram reforço e eu enviei a Força Tática. Até então eles não sabiam o que era, mas quando nossos policiais foram isolar a área perceberam que se tratava de ossos humanos e acionaram a polícia civil e a perícia”, destacou o major Hortêncio.

Em uma área um pouco mais afastada também foi encontrada uma motocicleta carbonizada. 

“A suspeita é que seja os corpos de um casal que estava desaparecido há uns cinco dias. O padrasto e a enteada, porque a família reconheceu a moto como sendo dele. Mas, ainda é só uma suposição. Só com os exames nos restos mortais é que se terá certeza”, declarou o comandante da PM em Corrente.

O padrasto identificado como Lucélio Guimarães, de 30 anos e enteada Vânia Dias, de 15 anos, estão desaparecidos desde o último sábado(02), quando teriam saído para uma festa. 

O material foi recolhido pela perícia e pelo delegado de Polícia Civil de Corrente e deve ser encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) em Teresina. Mas, até o início da tarde deste sábado(09) não havia chegado. 

O Cidadeverde.com tentou contato com a Polícia Civil que está investigando, mas não obteve sucesso. 

Para um site local, o delegado Yure Saulo de Oliveira Aranha, informou que a polícia trabalha com a hipótese deles terem sido atacados de forma aleatória.

“A princípio, pelos depoimentos colhidos, os dois não teriam nenhum desafeto ou envolvimento no mundo do crime que justificasse uma vingança ou execução, por isso acreditamos que eles estavam no local e na hora errada, tendo a infelicidade de serem atacados por alguém com tendências psicopatas. A pessoa que os queimou teve o trabalho de juntar o que restou dos corpos várias vezes e colocar fogo novamente, para chegar ao estado em que essa ossada foi encontrada”, disse o delegado ao portal Corrente.

 

Caroline Oliveira
carolineoliveira@cidadeverde.com

Imprimir