Cidadeverde.com
Cidades

Preso suspeito de ocultar cadáver de auxiliar de serviços gerais

Imprimir
  • eb844af1-41b8-4981-9781-d2a3509c6f6e.jpg Cintia Lucas
  • db7317f1-817e-4f78-8d94-c04eb5d458ed_(1).jpg Cintia Lucas
  • 7660f9d8-5175-4c5d-83cd-f1896bd8ea4c.jpg Cintia Lucas
  • 7074b1e9-3edb-4035-a502-f391e9f2903d.jpg Cintia Lucas
  • 63ac66fc-3e0b-4024-ac59-777254e2575a.jpg Cintia Lucas
  • 738f2943-7c1f-4585-8e84-8913468ca2f5.jpg Cintia Lucas

Um dos investigados na morte do auxiliar de serviços gerais, Regivaldo Barbosa de Sousa, foi preso nesta terça-feira (12). O delegado responsável pelo inquérito, Marcelo Leal, conta que o suspeito confessou participação no crime e que, inclusive, ajudou a esconder o cadáver, arrastando-o até o matagal onde o corpo foi enterrado. 

Francisco Antônio Evangelista do Nascimento, vulgo Chico Desgraça, foi preso em cumprimento a mandado judicial em aberto pelo crime de roubo. Em depoimento, segundo o delegado, ele delatou os comparsas. 

O crime teve grande repercussão pela tentativa de ocultação do cadáver. Após a morte, o corpo do auxiliar de serviços gerais foi enterrado em um matagal na área conhecida como Inferninho II, situada no bairro Mafrense, zona Norte da Capital. No local é intensa a disputa pelo tráfico de drogas. 

"Ele conta que não matou, mas confessa participação, diz que o crime ocorreu na madrugada de sexta (08), que resolveu entrar pelo telhado  porque a vítima estava embriagada e agindo assim não ia fazer tanto barulho. A cena foi presenciada por várias pessoas... ele também declinou os outros participantes. A vítima e os suspeitos eram parceiros de crime. A motivação teria sido a disputa pelo tráfico de drogas e desentendimentos por produtos de ações criminosas", explica Marcelo Leal. 

Aparentemente, a vítima foi assassinada a tiros. Contudo, o delegado acredita que os suspeitos tenham se utilizado também de outros meios para assassiná-lo. O laudo que atesta a causa da morte deve sair em 10 dias. 

Chico Desgraça deve responder por homicídio e ocultação de cadáver. A Delegacia de Homicídios trabalha agora para identificar os outros suspeitos. 

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Imprimir