Cidadeverde.com
Geral

"Não há fiscalização alguma após às 17h", diz promotor sobre Major César

Imprimir
  • f828615a-e003-4c94-93b8-3d0e51b7b6cf.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • d98117c4-424a-48d4-820e-7ca676d442b8.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • b283b425-94a6-4533-a90c-d4f852d4c531.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • b45ac985-e621-4b00-b76d-0d00606a80a0.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • b22a0178-a6f1-40de-9fc4-843ca85cfd36.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • aa6abc33-ab49-4a93-9a4b-3f3c95565801.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 28353886-5437-45c9-aec0-847141a4809e.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 9817b723-e2ea-4c91-a9b1-d3378d4fd19b.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 467ce7ff-76e6-41ba-9ece-0690bb571c70.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 44e47c70-25a1-4319-8ff2-21352812cdcd.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 8a97c96d-1ede-4a26-8486-ea2ca372c666.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 7ff9474a-4846-45fb-a99c-cd3af0e92528.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 4d422b57-7df9-4349-8b81-3614f332e271.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com

O promotor de Justiça da comarca de Altos, Paulo Rubens Rebouças, relatou que a partir das 17h não existe nenhuma fiscalização na ala onde foi encontrada o garoto de 13 anos, na Colônia Agrícola Major César, em Altos. 

"Houve uma fragilidade total. Não há fiscalização alguma após às 17h no setor de hortas. A entrada de qualquer pessoa é indiscriminada e não há nenhum tipo de fiscalização", declarou. 

Para o promotor Paulo Rubens  um novo protocolo de segurança na unidade prisional é urgente. “A criação de medidas para um protocolo mais rígido de fiscalização é urgente. Foi dado um prazo de 30 dias para que a fiscalização seja reformulada. Ter fiscalização. Este é ponto imediato e definir como uma criança tem um pai nessa condição entrar em presídio e quais critérios e de fiscalização”, disse. 

Sobre o inquérito que apura o caso, ele disse que as  linhas de investigação são sobre crimes de abandono de incapaz e constrangimento. Mas, que também vai cobrar que seja aprofundada a investigação para apurar se o garoto foi, ou não, vítima de abuso sexual. O promotor ressalta que mesmo que a conjunção carnal não tenha sido comprovado, o menino pode ter sofrido abusos que  não deixaram vestígios. 

O secretário estadual de Justiça, Daniel Oliveira, informou que vai apurar as denúncias feitas pelo Ministério Público, durante a reunião serão criados dois grupos de trabalho para determinar novas medidas de fiscalização e novas regras em relação às visitas de crianças e adolescentes nos presídios do Piauí. 

 

 

Yala Sena e Izabella Pimentel
redacao@cidadeverde.com 

 

Imprimir