Cidadeverde.com
Últimas

Miguel Alves: Casa abandonada passa por transformação e vai sediar ONG

Imprimir
  • eadb4dd7-1dd0-4720-921f-eb7f6748c90e.jpg Divulgação
  • bace874b-3921-47da-b641-48a7bc2a3cb6.jpg Divulgação
  • ac646b3e-5a45-4551-b4ea-02a02f8b2105.jpg Divulgação
  • a134ca11-5072-4620-bc6f-b76cc9364a52.jpg Divulgação
  • 78b737e9-67a6-40e2-b789-42921e224116.jpg Divulgação
  • 8cb4c569-4e97-4342-933b-72a015767cdc.jpg Divulgação
  • 3c86450a-6eeb-4901-9a1c-ca0ec88e140d.jpg Divulgação
  • 710a7fba-d6ae-4037-b47d-be18c8731a9e.jpg Divulgação
  • 24e3dff0-b20a-4314-b855-b0c81b70c274.jpg Divulgação
  • fd8e573b-d08a-44c6-bbdd-b4ab3087d354.jpg Divulgação
  • f4b79460-9dd6-43d2-b93f-62defea571ce.jpg Divulgação
  • e1a5eb9d-f321-4076-99c6-db729b75987c.jpg Divulgação
  • a8add987-6c08-4a0a-8475-e31d2780979e.jpg Divulgação
  • 9334f2e2-9ca7-4b46-878c-1d892e464154.jpg Divulgação

Uma casa abandonada no município de Miguel Alves, a 110 km de Teresina, foi totalmente transformada e deu lugar a um centro cultural “vivo” que sedia hoje a ONG Viva Vida. Totalmente revitalizada, a nova sede está respirando alegria com artes grafitadas por todas as paredes.

Com a ajuda de um incansável trabalho voluntariado, após uma reforma que começou em fevereiro, a inauguração do Espaço Cultural Coco Babaçu vai acontecer no dia 27 de outubro, com uma vasta programação cultural, que terá apresentações de dança, teatro, música,de humor, dentre outras atividades. 

A iniciativa da criação da ONG surgiu em 2015, de um pequeno grupo de voluntários, - que agora já são mais de 150 -, engajados com uma causa social que busca à valorização do ser humano de classes sociais mais baixas e o seu pleno acesso aos mais diversos tipos de expressão cultural. 

A presidente da Viva Vida, Conçeição Torres, diz que o espaço realiza constantemente movimentos e apresentações e desenvolve projetos culturais com crianças, adolescentes, mulheres e ex-detentos. Ela fala sobre a idealização do projeto.

“Miguel Alves é uma cidade muito pobre, onde há pessoas muito pobres, então foi uma forma que eu vi de ajudar essas pessoas e fazer com que elas tivessem acesso a cultura, de várias formas. Porque eu sei, por exemplo, que uma aula de dança, ela pode promover um “up” na vida de alguém, ela pode fazer com que a autoestima de alguém melhore. E é isso que a gente busca.  

Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com

Imprimir