Cidadeverde.com
Geral

Mulher é espancada e tem o filho de 2 anos levado pelo ex

Imprimir

Uma dona de casa, de 40 anos, denunciou o ex-companheiro, de 46 anos, à polícia depois que foi enforcada, agredida em várias partes do corpo e ameaçada com uma faca em Santos, no litoral de São Paulo. Após a briga, ela ficou desacordada e teve o filho levado pelo homem. Os dois estão desaparecidos há seis dias.

O caso aconteceu na última quinta-feira (9) na casa da vítima, que mora da região da Zona Noroeste da cidade. Em depoimento à polícia, ela alega que o ex-companheiro apareceu no imóvel alcoolizado, a ofendeu na frente do filho e disse que ela havia gastado todo o dinheiro dele em outra ocasião. 

"Não foi a primeira vez que ele me machucou. Ele me enforcou, colocou uma faca no meu pescoço e me bateu de todas as formas. Ele não aceitava mais o fim do nosso relacionamento e eu já não queria mais voltar com ele, que sempre foi agressivo", desabafou a dona de casa, Flávia Bianca Trombina de Gois.

Após a discussão, o menino Kelvin, de 2 anos, filho do casal, foi levado pelo pai, que pediu demissão do emprego em um hotel na cidade em seguida. "Não conseguimos mais contato e eu não sei nem se o meu filho está vivo, onde está e com quem está. Eu estou desesperada e quero o meu filho de volta".

Na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), Flávia registrou um boletim de ocorrência de violência doméstica. Ela foi submetida a exames no Instituto Médico Legal (IML) que comprovaram as agressões sofridas, segundo ela, pelo ex-companheiro, identificado na polícia como César Augusto Lopes de Lima.

A Polícia Civil também registrou outro boletim de ocorrência de desaparecimento. "Não existe caso de sequestro de filho pelo pai, por isso não foi possível registrar isso. Mas meu filho foi levado a força". Nesta terça-feira (14), completa-se uma semana que ninguém tem notícias dos dois.

Flávia e o ex-companheiro, segundo o relato dela, tiveram um relacionamento por quase três anos e estão separados há sete meses. A reportagem tentou contato com o suspeito pelo local onde trabalhava, mas colegas afirmaram que ele pediu demissão na última semana e que não tem informações sobre o paradeiro dele.

Fonte: G1

Imprimir