Cidadeverde.com
Geral

Vítimas vão a DP e denunciam que App virou alvo de assaltos a homossexuais

Imprimir

Foto: Wilson Filho/ Cidadeverde.com

Pelo menos seis homossexuais em Teresina já foram vítimas de golpes e assaltos após marcarem encontros através um aplicativo de celular popular entre o público gay, o Grindr. 

Duas dessas vítimas prestaram depoimentos na Delegacia de Direitos Humanos nesta segunda-feira (19), sobre assaltos que sofreram após encontros que marcaram através do app. De acordo com ambos, a mesma pessoa praticou os golpes, um rapaz moreno de estatura média e aparência de 35 anos, aproximadamente. 

Os dois contaram que o golpe foi semelhante entre eles. Informaram que primeiro marcaram o encontro e que inicialmente o homem, ainda não identificado, foi muito educado, mas que depois disse que cobraria pelo “serviço”. No entanto, após um tempo foi mundando o comportamento e exigindo que pagassem o valor do "encontro" fazendo ameaças verbais de forma agressiva. De acordo com as vítimas, mesmo o rapaz não tendo mantido relações sexuais com nenhum deles, acabou levando pertences dos dois (um celular e um tablet), depois que eles disseram que não tinham dinheiro. 

Os jovens de iniciais M.C, 19 anos, e J.P, 31 anos, constataram que no caso deles, se trata do mesmo criminoso, porque confirmaram entre si analisando fotos enviadas pelo assaltante antes dos encontros. 

“Fomos para minha casa e quando chegou lá ele disse que cobrava R$ 300 pelo serviço e que eu tinha que pagar, sendo que no aplicativo ele não informou isso, nem enquanto eu conversei com ele pelo telefone. Quando eu disse que não ia pagar, que não tinha dinheiro, ele começou a ser agressivo. Eu pedi que ele se retirasse e ele ficava me ameaçando. Como eu fiquei com medo e pedia para ele se retirar, ele acabou levando meu celular”, contou J. P. 

M. C informou que sofreu o golpe dia 5 de fevereiro e que J. P passou praticamente pela mesma situação com o mesmo suspeito cinco dias depois, no dia 10.

De acordo com as vítimas, o homem age com um comparsa e os dois circulam em uma motocicleta juntos.

Após fazer a denúncia, a Associação de Defesa das Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBT) do Piauí, foi recebida pelo delegado João Paulo, titular da Delegacia dos Direitos Humanos, nesta segunda-feira (19). 

André Santos, presidente da Associação, contou que os golpes estão sendo constantes e que por isso resolveram denunciar. De acordo com André,  as outras quatro vítimas ou não quiseram se manifestar ou não puderam comparecer para dar depoimentos hoje, mas que ainda irão à delegacia.

O delegado João Paulo não quis se manifestar sobre o caso.

 

Flash Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com

Imprimir