Cidadeverde.com
Esporte

Após 'guerra', meia do Bahia vai à delegacia e faz boletim de ocorrência contra 5 do Vitória

Imprimir

Após o polêmico Ba-Vi do último domingo, que foi encerrado antes do fim do tempo regulamentar por falta de jogadores em campo, o meia Vinícius, do Bahia, resolveu tomar providências legais.

Foto - Felipe Oliveira/EC Bahia Jogadores de Vitória e Bahia discutem durante o clássico polêmico

Segundo informou o time de Salvador à ESPN, o meio-campista foi à Central de Flagrantes da capital baiana para registrar um boletim de ocorrência contra cinco atletas do Vitória por agressão física e ameaça.

Os jogadores acusados por Vinícius foram o goleiro Fernando Miguel, o zagueiro Kanu, o meio-campista Yago e o atacante Denílson (todos por agressão) e o também atacante Neílton (ameaça).

O meia do Bahia foi encaminhado pela polícia para realizar o exame de corpo de delito após registrar a queixa. Ele esteve acompanhado de Vítor Ferraz, vice-presidente da equipe tricolor.

Curiosamente. o dérbi foi chamado antes da partida de "Ba-Vi da Paz" e teve os atletas de ambas as equipes abraçadas respeitando a um minuto de silêncio em homenagem a Danilinho, meio-campista do Juazeirense, que há uma semana passou mal em um treinamento e acabou falecendo.

A CONFUSÃO

A confusão começou após o gol de empate do Bahia, marcado por Vinicius aos 4 minutos do segundo tempo. Na comemoração, o meia fez sua tradicional dança à frente da torcida mandante, gerando revolta dos jogadores do Vitória e iniciando uma briga generalizada no gramado. A partida teve que ficar paralisada por 16 minutos para acalmar os ânimos e atendimento dos jogadores envolvidos.

Com o reinicio da partida, o árbitro Jaílson Macedo de Freitas expulsou sete jogadores: Vínicius, Lucas Fonseca, Edson e Rodrigo Becão, do Bahia (os últimos dois do banco de reservas), e Kanu, Denílson e Rhayner pelo Vitória, recomeçando a partida em seguida.

Porém, com 32 minutos, Uillian Correia foi expulso ao receber o segundo cartão amarelo por falta em Zé Rafael. Revoltados com a decisão do árbitro, os jogadores do Vitória passaram a protestar e tentar evitar o recomeço da partida.

Com isso, Bruno Bispo recebeu o segundo amarelo por impedir a cobrança da falta e ocasionou a quinta expulsão da equipe, ficando sem o mínimo de jogadores para a continuação do jogo e, consequentemente, obrigando o árbitro a terminar a partida.

Com a bola rolando, o gol do Vitória foi marcado por Denílson, aos 33 do primeiro tempo, abrindo o marcador no clássico. Ao todo, foram distribuídos 17 cartões pelo árbitro, sendo oito amarelos e nove vermelhos.


Fonte: ESPN

Imprimir