Cidadeverde.com
Política

12 vereadores de Teresina devem sair como candidatos na eleição de 2018

Imprimir

A eleição de outubro não será municipal, mas vai afetar diretamente a Câmara de Vereadores de Teresina. Isso porque pelo menos 12 dos 29 vereadores devem sair candidatos a uma vaga na Assembleia Legislativa, Câmara Federal ou Senado. O número é expressivo e representa quase a metade dos parlamentares da Casa. 

Entre os nomes que devem entrar na disputa, alguns estão sendo incentivados pelo prefeito de Teresina Firmino Filho (PSDB). É o caso dos vereadores Joninha (PSDB), Pedro Fernandes (PRP) e Nilson Cavalcante (PTdoB). Eles podem compor a chapa que o tucano quer montar para eleger um deputado federal de Teresina. O grupo até já recebeu o nome de “chapinha de Firmino”.

A líder do prefeito, vereadora Graça Amorim (PMB), também estuda participar da disputar por vaga na Câmara Federal. Para o PMB é questão de sobrevivência lançar candidatos para a Câmara e as Assembleias Legislativas. O partido teme não alcançar a cláusula de barreira e ser prejudicado deixando de receber recursos do fundo partidário com a possibilidade até mesmo de extinção. 

Na bancada feminina da Câmara, as vereadores Teresa Britto (PV) e Cida Santiago (PHS) também são pré-candidatas. Cida é oposição a Firmino Filho e já revelou que irá disputar uma vaga na Câmara Federal. Já Teresa, que é presidente estadual do PV, estuda disputar uma vaga na Assembleia Legislativa. 

Ainda na base de Firmino Filho, o vereador Neto do Angelim (PSDB) pode sair candidato ao Senado. Ele tem sido pressionado pela direção do partido que tem como candidato a governador o advogado Romualdo Sena que quer montar chapa pura. Neto é um dos nomes do partido com maior expressão na capital. 

Na matemática da Câmara, outros nomes como Caio Bucar (PSD), Dudu (PT), Dr. Lázaro, Gustavo de Carvalho (PEN) e Major Paulo Roberto (Solidariedade) fazem as contas para saberem se possuem condições e os apoios necessários para serem candidatos. Para muito desses pré-candidatos, pensam questões como o apoio do partido.

É o caso do vereador Caio Bucar. Ele possui problema com a direção do PSD do Piauí e pensava em deixar a legenda. Mas a janela de desfiliação partidária aberta não possibilita mudança para vereadores, apenas para deputados. Para mudar de legenda, ele teria que conseguir autorização da Justiça ou ser expulso. O futuro do parlamentar ainda é incerto. Ele pretende disputa uma vaga na Assembleia. 

O presidente da Câmara, vereador Jeová Alencar, afirma que irá trabalhar para que a eleição não atrapalhe o andamento das sessões da Casa. “A eleição não é municipal, mas alguns vereadores devem ser candidatos. Vamos conversar com os vereadores para que as sessões continuem ocorrendo de forma normal. É importante que a Casa não pare por causa da eleição”, destacou. Ele lembra que quem faltar sem justificativa terá desconto nos salários. 

Lídia Brito
redação@cidadeverde.com

Imprimir