Cidadeverde.com
Esporte

Vasco é derrotado em casa na estreia na fase de grupos da Libertadores

Imprimir
  • VAS-LAU-14.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-13.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-12.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-11.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-10.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-9.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-8.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-7.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-6.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-5.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-4.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-3.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-2.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br
  • VAS-LAU-1.jpg Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br

São Januário reuniu o velho e o novo no seu retorno à fase de grupos da Libertadores. Teve o velho foguetório na entrada do time, mas também os novos bancos de reservas na lateral do campo. Um novo mosaico na arquibancada e a velha dificuldade do Vasco em furar defesas bem postadas. Contra a Universidad de Chile, a equipe até soube se impor na maior parte do tempo, mas faltou finalizar mais e melhor. No fim, a derrota por 1 a 0 teve sabor amargo, com recheio de falha de Paulão e Martín Silva. Pior para Paulão, que foi muito vaiado pelos torcedores.

O gosto ruim se intensifica diante do cenário do Grupo 5, considerado o mais equilibrado desta Libertadores. A derrota desta terça o deixou em terceiro lugar, mas também obriga a equipe carioca a jogar a próxima partida, fora de casa, contra o Cruzeiro, atrás de uma vitória. O problema é que os mineiros entrarão também pressionados, depois de perderem a estreia contra o Racing, da Argentina.

"É claro que tem que ser evitado (tipo de lance do gol). Foi um lance em que a gente perdeu a marcação, deu o meio para o rival e eles concretizaram. Podíamos ter evitado. Agora é levantar a cabeça e tentar a vitória fora de casa", disse Martín.

"Temos que fazer da nossa casa, a nossa fortaleza. Hoje, infelizmente, não conseguimos. Agora é levantar a cabeça", disse Pikachu.

Zé Ricardo, agora na lateral, conseguiu ver melhor o time e os erros dos jogadores ofensivos nos lances capitais. Wagner esteve nervoso, Evander, apagado, e Rildo não foi o jogador agudo de outras partidas. Ao deixar o banco de reservas antigo, colheu também o ônus e ficou mais perto da arquibancada, que oscilou entre empolgação e vaias com o empate que insistia no placar. Riascos foi quem levou mais perigo no primeiro tempo, com um cruzamento que bateu no travessão.

No segundo, a igualdade nem era mais estranha. A La U voltou melhor, mais disposta a atacar. Criou boa chance de gol com Araos, defendida por Martín Silva. Rildo também quase marcou em cabeçada defendida por Herrera, mas foi a Universidad de Chile quem fez o primeiro. Aos 31 minutos, Araos cortou para o meio e bateu. O chute era defensável, mas Martín Silva caiu mal demais na bola.

Fonte: Extra

Imprimir