Cidadeverde.com
Geral

Trânsito em Teresina mata mais homens e domingo tem maior índice de acidentes

Imprimir

A Polícia Civil do Piauí divulgou nesta terça-feira (05) o relatório de violência no trânsito de Teresina no ano de 2017.

Os dados analisados são baseados nos registros de Boletins de Ocorrências junto a Delegacia de Repressão aos Crimes de Trânsito e se dividem em duas partes, lesões, homicídio culposo e morte acidental no trânsito, e outra voltada a analisar dados estatísticos de pessoas dirigindo sob efeito de álcool ou substância análoga.

Ao todo no ano de 2017 foram registrados 3236 ocorrências com lesão corporal e mortes no trânsito da capital, com 1,7% de morte acidental no trânsito; 3,4% de homicídio culposo no trânsito; 36,7% de lesão corporal acidental no trânsito e 58,3% de lesão corporal culposa no trânsito. 

Outro dado importante trazido no relatório diz respeito aos óbitos (homicídio culposo e morte acidental no trânsito) que resultam em 5,1% dos casos registrados (3236 boletins de ocorrência) e número absoluto de 161 vítimas. O domingo é o dia da semana que mais registra acidentes na capital, contabilizando 629 em 2017.

Este é o primeiro relatório com números tratados feito pela Polícia Civil e deverá ser aprimorado ano a ano para obter maiores detalhes sobre a violência no trânsito da capital e servir de parâmetro para ações de segurança, como explica o Delegado João Marcelo Brasileiro, Coordenador da Central de Estatística e Análise Criminal (NUCEAC).

“Não divulgamos números do ano passado porque esses números de 2017 foram tratados. A gente excluiu registro repetido. Esses relatórios vão ser aprimorados, a ideia é todo mês de maio a gente divulgar. E o segundo anuário será bem mais aprimorado”, finaliza.

No levantamento da Polícia Civil, em sua segunda parte, um dado que chama atenção é em relação aos bairros que tiveram mais registros de condutores dirigindo sob efeito de álcool ou substância análoga. Os bairros Fátima (zona leste) e Itararé (zona sudeste) foram os que mais registraram ocorrências em 2017.

Nesses casos, quanto ao sexo dos envolvidos nos registros, estão 94,2% relacionados ao sexo masculino, em sua maioria com média de 37 anos e 5,8% relacionados às mulheres, com faixa etária que entre 35 a 39 anos. 

Segundo o delegado, os números surpreendem pelo perfil das pessoas, uma vez que as campanhas de conscientização tem como foco os jovens de que misturam bebida e direção.

“O que há de interessante é a grande quantidade [de acidentes], se você comparar 2016 e 2017 a gente teve quase 7 mil acidentes com vítimas na capital, é um numero bastante grande, e também a questão do perfil das vitimas desses acidentes. Você vê muita campanha pro jovem, mas o perfil das pessoas que são pegas sob efeito de álcool são todos adultos”, disse o delegado.

Confira o relatório completo clicando aqui.

 

Rodrigo Antunes (Especial para o CidadeVerde.com)
redacao@cidadeverde.com

Imprimir