Cidadeverde.com
Geral

Alunos ocupam prédio da Uespi em protesto pelo não início das aulas

Imprimir

Estudantes de Agronomia da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) , do campus de Parnaíba, ocupam a Faculdade de Ciências Agrárias (FCA) em protesto pela falta de alimentação, que deveria ser fornecida pela instituição, atraso no pagamento das bolsas e salário dos professores. A situação comprometeu o início do período letivo que havia sido remarcado para esta segunda-feira (16).  

"Tudo o que a Uespi nos prometeu, resolver a alimentação, a questão das bolsas e o Incra pagar o professores, nada aconteceu até o momento. Então, os alunos estão ocupando a FCA da Uespi em Parnaíba, que é onde funciona o nosso curso. Estamos aqui sem aula e sem alimentação", disse o estudante Maciel Silva.

O curso é financiado pelo Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera) em parceria com o  Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e Uespi.

Devido a situação, alguns alunos abandonaram o curso. No momento, 16 estudantes ocupam o prédio. O protesto segue por tempo indeterminado. No início do mês, os estudantes vieram a Teresina cobrar a resolução do problema.

"A reinvidicação é para que as aulas iniciem. Para isso é preciso sanar o pagamento dos professores do período passado que se encerrou dia 7 de julho e sanar o problema da alimentação. O coordenador do curso está acompanhando e já fez tudo o que era cabível", complementa o estudante. 

"A situação se repete. No ano passado, só estudamos um semestre e porque tomamos a iniciativa de ocupar o prédio. Já tivemos reuniões com o Incra, Pronera e fomos até o reitor. Estamos ocupando o prédio porque a própria Uespi não cumpriu o que prometeu", desabafa Maciel Silva.

O Cidadeverde.com entrou entrou em contato com a assessoria da Uespi que se posicionou através de nota. Confira:

A Universidade Estadual do Piauí, em relação às reinvindicações dos alunos do curso de Engenharia Agronômica do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera) ofertado pela instituição em parceria com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), informa que vem mantendo diálogo constante com os estudantes com a finalidade de regularizar a situação. No dia três de julho, a Administração Superior recebeu um grupo de alunos na reitoria e, conforme acertado na reunião, realizou ainda na mesma semana, a contratação da empresa fornecedora de alimentação. Durante os dias seguintes, a instituição cumpriu as fases dos procedimentos licitatórios, e a ordem de serviço já foi assinada, autorizando, portanto a empresa a fornecer o serviço.

 

Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Imprimir