Cidadeverde.com
Geral

Plamta: Governo notifica hospitais e clínica que suspenderam atendimentos

Imprimir

O governo do Estado  começou a notificar os hospitais e clínicas que estão se recusando a atender pacientes através dos planos de saúde Iaspi/Plamta. Segundo o secretário de administração, Ricardo Pontes, o mês de abril, que estava em aberto, já está sendo quitado. A orientação da gestão estadual é que os usuários procurem o Iaspi para denunciar a falta de atendimento.

"As pessoas devem procurar a central no Iaspi para que a gente possa tomar as medidas. Nós já nos antecipamos e hoje já estão saindo várias notificações para hospitais e clínicas, principalmente os grandes hospitais. Somente os maiores interromperam o atendimento", disse em entrevista à TV Cidade Verde.

De acordo com o secretário, não está descartado o descredenciamento de estabelecimentos que se recusarem a atender pacientes.

"Estamos pegando o contrato para ver o que  diz e, em último caso, descredenciar esses hospitais que não cumprem o que está estabelecido no contrato", afirmou, ressaltando que os pagamentos estão sendo feitos.

"Embora não tenha sido feito acordo com os sindicatos, já estamos pagando o mês de abril e vamos continuar e até o d

Foto: Catarina Malheiros

Em nota, o Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado do Piauí (Sindhospi) disse que o pagamento do mês de abril ainda não foi realizado. Confira na íntegra:

O Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde e Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas do Estado do Piauí (Sindhospi) vem a público informar que os pagamentos à rede credenciada, referentes ao mês de abril, ainda não foram efetuados. Na última quarta-feira (18), o sistema foi aberto para encaminhamento das faturas, de forma incompleta, diga-se de passagem, pois deixou de fora as faturas referentes a urgência e emergência, portanto, a suspensão dos atendimentos permanece até que haja a regularização dos pagamentos.

O Sindicado afirma que o prazo contratual a ser levado em conta é o D + 60, ou seja, dia da apresentação da fatura mais 60 dias, prazo extenso e que permite ao Governo do Estado ter tempo suficiente para pagar os prestadores. Por sua vez, cabe ressaltar que muitos dos prestadores possuem contrato firmado com Iaspi, com prazo de apenas 30 dias para pagamento.

O Sindhospi também esclarece que não está sendo negado atendimento de urgência/emergência a nenhum usuário do Plamta, pois isso implica em risco a sua saúde e a vida. Essa é uma orientação do Sindicato e todos os filiados se comprometeram a cumprir a regra. Estão suspensos apenas as consultas, cirurgias e atendimentos eletivos, os quais serão retomados tão logo os pagamentos sejam regularizados pelo governo. Portanto, não é admissível que o IASPI notifique os filiados a cumprirem o contrato, se o próprio órgão não o cumpre.

Hérlon Moraes
herlonmoraes@cidadeverde.com

Imprimir