Cidadeverde.com
Política

No encontro do PT, governador alerta que será uma das campanhas mais agressivas

Imprimir
  • gov3.jpg Yala Sena
  • gov21.jpg Yala Sena
  • gov20.jpg Yala Sena
  • gov19.jpg Yala Sena
  • gov18.jpg Yala Sena
  • gov17.jpg Yala Sena
  • gov16.jpg Yala Sena
  • gov15.jpg Yala Sena
  • gov14.jpg Yala Sena
  • gov13.jpg Yala Sena
  • gov12.jpg Yala Sena
  • gov11.jpg Yala Sena
  • gov10.jpg Yala Sena
  • gov9.jpg Yala Sena
  • gov8.jpg Yala Sena
  • gov7.jpg Yala Sena
  • gov6.jpg Yala Sena
  • gov5.jpg Yala Sena
  • gov4.jpg Yala Sena
  • gov2.jpg Yala Sena
  • gov1.jpg Yala Sena

Na abertura do encontro do PT, o governador Wellington Dias alertou aos militantes, na noite desta sexta-feira (27), que será uma das campanhas mais agressivas e com ataques pessoais. 

Ao lado da senadora Regina Sousa e do pré-candidato a Senador, Marcelo Castro (MDB), o governador pediu aos petistas para não reagirem aos ataques e que trabalhem para uma campanha "centrada em sonhos".  

"Nesta campanha teremos que ter muito cuidado e temos que estar preparados, pois será uma das mais agressivas. Isso já está acontecendo com a Regina, mas poderia ser qualquer outra pessoa, mas temos que fazer uma campanha de alto nível, mesmo com os xingamentos e o denuncismo, que já está acontecendo", disse o governador ao falar para os 250 delegados que participam do encontro de táticas eleitorais no Atlantic City.

Estiveram também no encontro o deputado estadual, Júlio Arcoverde, representando o Progressistas e o ex-deputado Osmar Júnior, do PC do B, que sentou à mesa. 

Ellen Costa, representante do Diretório Nacional, participou da abertura e leu uma mensagem do ex-presidente Lula ao governador Wellington Dias e os militantes do Piauí. 

Veja mensagem do Lula:

Nome de Regina

O governador ressaltou a história de Regina Sousa, fez vários elogios a ela e disse que não foi só escolha de Wellington Dias, mas a partir de agora a escolha é de uma frente de partidos. 

"Tive que fazer uma escolha, e não se era Regina ou Marcelo, mas qual o nome que pudesse agregar mais e sair com uma chapa vitoriosa". 

Candidatura de Lula

Para Wellington Dias, a candidatura de Lula à Presidência da República  é uma prioridade para o partido e para o projeto político que defende. Segundo ele, o país "andou para trás" e vários estados enfrentam uma crise financeira. 

Pede voto de confiança para aprovar o "chapão"

Ao falar aos militantes, o governador saiu da mesa e desceu até os petistas. Ele pediu um voto de confiança para aprovar o "chapão" ( aliança unificada para proporcional com todos os partidos). Ele admitiu que  presidente do PT no Piauí, deputado federal Assis Carvalho pensa diferente dele e quer a "chapinha".

O governador lembrou que em 2014 ganhou no primeiro turno  e só elegeu 11 deputados da base dos 30 parlamentares. Com o chapão, ele crê que dará para eleger de 23 a 24 deputados estaduais e de sete a oito deputados federais.

"Não chegamos aqui sozinhos. Em 2014 tive que dialogar com quem não estava conosco, na alegria e na dor tivemos que aprovar projetos importantes. Trabalhamos para ter a mesma frente de partidos e o nosso desafio é não perder ninguém". 

Crê que não terá 2º turno

Aos militantes, o governador disse que é preciso ter humildade e nada de "sapato alto" ou "já ganhou".

"Tem que ter disposição para pedir voto como se tivéssemos no último lugar e temos disposição para eleger o presidente Lula e o governo do estado no primeiro turno. Temos que fazer uma campanha centrada em sonhos, que é possível desenvolver o estado e é preciso despertar o sentimento de que o sonho é possível".  

  

Homenagem a Trindade

Ao encerrar a abertura, os petistas fizeram um minuto de silêncio em homenagem a deputada Francisca Trindade que no dia 26 completou 15 anos de sua morte. Trindade morreu vítima de Acidente Vascular Cerebral em 2003 quando discursava no Centro Artesanal. Em seguida, todos de mãos dadas rezaram a oração do Pai Nosso. O encontro segue hoje, sábado, no Atlantic City. 

 

Flash Yala Sena
[email protected]

Imprimir