Cidadeverde.com
Política

Sem acordo, PTC deixa base do governo e adere a candidatura da oposição

Imprimir


Foto: WilsonFilho/CidadeVerde.com
 

O PTC está fora da base governista. O deputado Evaldo Gomes fez discurso na manhã desta quarta-feira (01) e confirmou a saída da sigla da base governista. O caminho da legenda deve ser o apoio ao pré-candidato a governador Dr. Pessoa (SD).

Evaldo anunciou a saída do seu partido da base do governo Wellington Dias. Ele disse que comunicou ao líder do Governo, deputado Francisco Limma Lula (PT), que, a partir de hoje, não seria mais o vice-líder do Governo e que, se for necessário, apresentará um documento oficiando a sua decisão.
 
A decisão foi tomada depois que o governador Wellington Dias não garantiu ao PTC a possibilidade de construir uma chapinha proporcional. Os demais partidos da base queria que o PTC integrasse o chapão. O PTC também exigia a candidatura avulsa do médico Marcos Vinícius ao Senado. Sem acordo, o partido deixa a base. 

O deputado falou sobre o desgaste na relação. “Não foi uma decisão do Evaldo, mas do partido. Houve um desgaste e não teve como continuar na base”, disse. 

Com a saída da base, ele fez elogios a Dr. Pessoa e confirmou a parceria. “Tenho profunda administração. Homem humano e simples. Calçou a sandália da humildade e trabalha pelo povo. Tem muita coragem de disputar o governo contra os poderosos. Vamos está juntos. Dois homens simples e humildes. Quero parabenizá-lo pela sua coragem”, destacou. 

Desabafo

Em entrevista à TV Cidade Verde, o deputado fez um verdadeiro desabafo. Disse que na base aliada há "mandalhões" e que o governador está submisso a eles.

"Diante da fragilidade de condução da base nós resolvemos nos retirar. Dentro dessa base muito extensa, o governador manda muito pouco. Existem dois ou três mandalhões. Não podemos nos acovardar. Nós estamos saindo da zona de conforto  para calçar a sandalia da humildade", afirmou.

Evaldo disse que seu partido não pode ficar em um grupo politico onde ninguém sabe quem manda. "O PTC não pode ficar num grupo político sem saber quem manda. Peço ao governador que se liberte. O governador hoje está submisso a esses mandalhões. A base hoje virou o samba do crioulo doido", disse.

Questionado se o veto do PTC sobre a chapinha foi em virtude da pré-candidatura do partido ao Senado, Evaldo disse que outros partidos da base também possuem pré-candidatos. "Só quem afrontou foi o PTC? Em nenhum momento criticamos o governador pela decisão da chapa majoritária, mas nós temos uma história", finalizou.

Lídia Brito e Hérlon Moraes
redacao@cidadeverde.com

Imprimir