Cidadeverde.com
Geral

Ex-prefeito e cinco empresários são presos na operação do Gaeco

Imprimir
  • gaeco.jpg PRF
  • gaeco1.jpg PRF
  • gaeco2.jpg PRF
  • gaeco3.jpg PRF
  • gaeco4.jpg PRF
  • gaeco5.jpg PRF
  • gaeco6.jpg PRF
  • 8c8ff646-d458-4147-ac3d-a4fa918ad64c.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 30ac3b20-cf5e-4e5d-841a-c9f2e6f19dcb.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 50a954d2-11e4-478c-9296-a1d1e46cfb68.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 855add43-470d-4cbf-9076-27de3f57383b.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • 5038cc97-05a6-44a3-aa52-6e61a7fcc995.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • d1a315cb-2113-445e-8479-d8fd23f44e31.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • dc251669-87f9-4269-bd05-c920038da03a.jpg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • ec4ff27e-d844-44d4-a1f9-208bdbd995d7.jpg PRF

Atualizada às 11h51

Cinco investigados na 3ª fase da operação Escamoteamento são considerados foragidos. Nesta quinta-feira (23) oito suspeitos foram presos, incluindo um ex-prefeito e um ex-vereador de Buriti dos Lopes. 

Em entrevista coletiva, o coordenador do Gaeco, Rômulo Cordão, divulgou os nomes dos investigados nesta fase que contou com a delação premiada da empresária Ana Carolina,  presa na 1ª fase ainda em abril do ano passado. 

"Do celular da Ana Carolina foram extraídas algumas mídias entre estas fotos e documentos que foram importantes para a investigação. Em uma das anotações encontramos um valor e na frente o nome do ex-prefeito [Bernildo], bem como de outras pessoas que forneciam notas frias e foram alvos presos na 1ª fase da operação", explica o promotor.

À imprensa foram mostradas mensagens de WhatsApp e anotações da suspeita que revelavam como funcionava o esquema criminoso.

Mandados de prisão cumpridos:

1. Empresário Francisco Elânio Moreira Arruda - Tianguá-CE;
2. Empresário Ademir Felipe Teixeira Nascimento Filho - Buriti dos Lopes-PI
3. Empresário Jansem Nunes - Tianguá-CE;
4. Fransico Zerbini Dourado - Tianguá-CE;
5. Empresário Gerlan Nunes - Tianguá-CE;
6. Ex-prefeito Bernildo Duarte Val - Teresina-PI;
7. Engenheiro Juscelino Duarte Val (filho do ex-prefeito) - Buriti dos Lopes-PI
8. Funcionário público Islano Ramabir Silva Pereira - Buriti dos Lopes-PI

Suspeitos foragidos:
1. Servidor público municipal Lindomar Sousa Nunes - Tianguá-CE;
2. Empresário Francisco Fausto de Oliveira Neto - sem endereço
3. Empresário e ex-secretário de finanças de Viçosa Ícaro Rafael de Sousa Arruda - Viçosa-CE
4. Empresário José Sidney Dourado Gomes - Tianguá-CE
5. Empresário Carlos Kenede Fortuna de Araújo – Tianguá-CE

Foto: Wilson Filho

Atualizada às 9h30

A operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) prendeu na manhã desta quinta-feira (23) o ex-prefeito de Buriti dos Lopes, Bernildo Duarte Val e mais cinco empresários suspeitos de corrupção. 

As prisões fazem parte da terceira fase da operação Escamoteamento deflagrada pelo Ministério Público Estadual. Estão sendo cumpridas 13 mandados de prisões preventiva e temporária, oito já estão detidos. Os presos são suspeitos pelo crime de fraude em licitação, lavagem de dinheiro, associação criminosa e corrupção. 

Entre os presos estão o empresário Carlos Kenede Fortuna Araújo, o Carlinho Pezão, além de servidores públicos e engenheiro. Foi preso também o ex-secretário de Finanças de Viçosa, no Ceará, Rafael de Sousa Arruda. 

Atualização 7h30

A 3° fase da operação Escamoteamento foi deflagrada na manhã desta quinta-feira (23). A investigação tem como foco o desvio de recursos públicos do município de Buriti dos Lopes (PI), onde algumas empresas e empresários da Serra da Ibiapaba no Ceará, juntamente com a participação de agentes públicos desviaram recursos públicos entre os anos de 2013 e 2016. 

Estão sendo cumpridos sete mandados de prisão preventiva, seis mandados de prisão temporária e 16 de busca e apreensão. As ordens judiciais foram expedidos pelo juízo da Vara Única de Cocal, cidade onde tede início a operação. 

Durante a investigação, o Ministério Público do Piauí solicitou o bloqueio no total de R$ 8.388.822,64 de bens dos investigados, valor este inicialmente detectado de prejuízo ao erário.

A operação é comandada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Estado do Piauí (Gaeco),  com o apoio e participação no cumprimento dos mandados, da Controladoria Geral da União, Tribunal de Contas do Estado do Piauí, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Civil do Piauí e Polícia Militar do Piauí, além do Ministério Público do Estado do Ceará.


Graciane Sousa e Yala Sena
yalasena@cidadeverde.com

Imprimir