Cidadeverde.com
Economia

Apple lança novos iPhones e relógio; veja novidades

Imprimir

Foto: Apple / Divulgação

HELOÍSA NEGRÃO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - atualizada às 23h22

A Apple apresentou nessa quarta-feira (12) os lançamentos do ano. O evento aconteceu em Cupertino, na Califórnia (EUA). Os destaques foram o smartphone com a maior tela da história da marca e o aparelho com preço mais acessível.

A tela do grandalhão iPhone Xs Max tem com 6,5 polegadas –a do iPhone 8 Plus tem 5,5. O vidro ocupa quase toda a frente do aparelho (igual ao iPhone X), o que permite que o display dos novos modelos cresçam sem que o telefone vire um iPad que faça ligações.

Para comparar: em centímetros, o iPhone 8 Plus tem 15,8 cm de altura por 7,8 cm de largura; já o novo Xs Max tem 15,75 cm por 7, 74 cm. Ou seja, na prática o tamanho do aparelho como um todo pouco muda.

A Apple também lançou o iPhone Xs, com 5,8 polegadas (mesmo tamanho da versão de 2017). Como já é comum nas linhas "s", há poucas mudanças impactantes na estrutura do aparelho.

A memória dos modelos mais caros da Apple poderá ir até 512 gigabytes (hoje, eles chegam a 216 gb), além dos tamanhos já existentes, de 64 gb e 256gb.

Outra novidade é a resistência maior à água. Os modelos antigos eram resistentes a água, ou seja, o usuário podia tomar chuva sem que o aparelho parasse de funcionar. Os novos são à prova de mergulho. Eles podem afundar até dois metros por 30 minutos sem prejuízos.

"Testamos em vários líquidos, água, água salgada, chá, suco de laranja, vinho, cerveja", afirmou Kaiann Drance, diretor sênior da Apple, durante o evento.

Os telefones continuam com o desbloqueio por reconhecimento facial, que, segundo a Apple, é a autenticação facial mais segura entre os smartphones.

"O iPhone Xs Max tem a melhor bateria que já fizemos", segundo Drance, ela dura uma hora e meia a mais do que a do iPhone X.

Os novos modelos poderão ter dois números de telefone funcionando ao mesmo tempo. Nos EUA, haverá um e-SIM (como se fosse um chip digital). Na China, a Apple testará um modelo do smartphone com dois chips inseridos ao mesmo tempo.

O terceiro (e mais acessível) é o iPhone Xr. Ele custará a partir de US$ 749.

Feito em vidro e alumínio, ele vem em modelos coloridos (branco, preto, azul, amarelo, vermelho). É resistentes a água (chuva) e poeira -mas não pode ser submerso.

A tela da versão mais em conta é de LCD (a do Xs e Xs Max são de super-retina). O vidro também ocupa grande parte da frente do celular, com 6.1 polegadas -é maior que o iPhone 8 Plus, porém em um telefone menor.

O desbloqueio também é feito por identificação facial.

A câmera traseira do iPhone Xr tem menos lentes que a dos seus irmãos mais caros, porém vem com o modo retrato para as fotos e controle de profundidade. Funcionalidades que fazem muito sucesso entre os usuários de iPhone.

Já a câmera frontal é igual para os três modelos.

A bateria do Xr também dura uma hora e meia a mais do que a do iPhone 8 Plus.

Tim Cook, presidente da Apple, abriu o evento com o novo Apple Watch, que está com a tela 30% maior, mais fino, e se chamará S4. O botão lateral foi refeito, e agora é possível girá-lo para rolar a tela. Segundo a Apple, o gadget está oito vezes mais rápido.

Um dos maiores destaques do novo sistema operacional (watchOS5) é o aplicativo ECG, que oferece um eletrocardiograma do usuário, por meio de um sensor de frequência cardíaca que o relógio.

A Associação Americana de Cardiologia dos Estados Unidos e a FDA (agência regulatória de saúde dos EUA) reconheceram a funcionalidade do novo app.

O sensor de batimentos cardíacos foi melhorado e ele passará a dar notificações nos casos de alterações imprevistas da velocidade e do ritmo das batidas do coração.

Com o reconhecimento de movimentos mais apurado, o relógio agora percebe quando o usuário está andando ou correndo. E também se ele cair. No caso da queda, o aplicativo irá esperar cinco segundos por algum movimento, se não houver, ele ligará para a emergência.

O Apple Watch S4 custará a partir de US$ 499 e estará disponível nos Estados Unidos a partir do dia 21 de setembro.

 

Imprimir