Cidadeverde.com
Entretenimento

Edição de Setembro da Roda de Poesia acontece nesta sexta na Praça Pedro II

Imprimir

 Foto: Ascom

Mais uma edição do projeto Tensão, Tesão & Criação – Roda de Poesia acontece nesta sexta-feira (21/09), a partir das 17h53, na Praça Pedro II, Centro Histórico de Teresina, chamando a atenção para a importância da campanha Setembro Amarelo, de combate e prevenção ao suicídio. O projeto acontece uma vez ao mês, com programação gratuita e diversa. Trabalha a expansão e expressão da poesia contemporânea brasileira feita no Piauí, como forma de valorização e revitalização do Centro Histórico de Teresina.

“Vejo o projeto como uma política cultural independente. Reunimos artistas e produtores e ocupamos a Praça Pedro II chamando a atenção para nosso Centro Histórico, afirmando que praça não é lugar de medo, nem de abandono, é lugar de circulação de ideias. Buscamos ser um espaço de abrigo e expressão dessa produção poética contemporânea. Desde 2015 insistimos e afirmamos nossa poesia como forma de valorização de nosso Centro Histórico, por isso, cada edição é um encontro cheio de beleza, resistência e afeto”, afirma João Henrique.

Poesia e o Setembro Amarelo

O poeta e pesquisador, Alex Sampaio, ressalta que a campanha Setembro Amarelo no Brasil iniciou também em 2015, ganhando grande notoriedade pelas intervenções em patrimônios públicos, como a iluminação amarela no Cristo Redentor (RJ) e no Congresso, em Brasília. “O projeto Tensão, Tesão e Criação se soma a esse debate nesta edição, com intervenção poética na Praça Pedro II, fortalecendo os laços e vínculos entre pessoas e entre pessoas com a cidade de Teresina. Ressignificar o espaço público em prol de uma vida ativa e criativa é objetivo desta edição do Roda de Poesia do mês de setembro. Isso é importante e necessário”, afirma Alex.

Programação Variada

A programação começa com o show do grupo Sarminina, projeto que nasceu da mistura de ideais e gosto pelo estudo das tradições da cultura popular, transformando em cantoria de ciranda, coco, boi, cantigas de lavadeiras e aboios de amor e influências de sons de terreiros. SARMININA traz cenas autorais com cantigas que refletem a poesia e as tradições das festas populares.

O grupo traz como brincantes, as cantoras Adê Porfírio, Emanuele Vieira e Hamanda Soares, acompanhadas dos músicos Esaú Barros, Diego Saraiva e Helber Batista. Uma apresentação ao som de sanfona e violão popular, numa pegada genuína das batidas percussivas de tambor.

Já o lançamento desta edição será o livro Mar Grave, primeiro livro da poeta Renata Flávia, teresinense, graduada em história e mestre em Educação. Renata começou a publicar seus escritos no blog Lustre de Carne e em zines.

Segundo as palavras da escritora Paula Taiteulbaum, que apresenta o livro, “Mais do que mar, este livro é maré. Maré feminina que nos inunda, nos aprofunda, nos lembra que toda mulher é feita de ciclos e sulcos, de mudanças e andanças. De nuances. Os poemas de Renata Flávia vêm em ondas. Às vezes parece que são capazes de afogar, outras dão a impressão de que se pode flutuar entre eles. Isso porque Renata sabe escolher as palavras e juntá-las como se fosse uma sereia que, com seu canto, encanta os navegantes e os leva ao fundo. Só que, neste caso, ao fundo de si mesma. O que nos leva a crer que mais do que mar, este livro é amar-se”.

E para fechar a noite teremos a banda Nuvem Cigana. Com uma proposta de mostrar a nova cara da música autoral piauiense, há quase um ano a banda consolida seu espaço, participando da cena local e de eventos como a Mostra Tremembé Sesc de Música II; em bares alternativos da capital, programas de TV e saraus. Com um estilo que passeia por várias influências, sem formato ou estilo definido – feito uma nuvem, em constante mudança, sem perder as referências.

Criando sonoridades que transpassam gêneros musicais e rotulações afins. É o santo afro que baixa. Poesia sagrada feita de profano. Amigos que fazem um som cantado por um pássaro cigano e dançado por uma bailarina pornô. Qualquer coincidência é pura influencia!

Para que ainda não conhece o trabalho, a banda já possui três músicas disponíveis nas plataformas digitais, basta conferir. É só procurar pela Nuvem Cigana.

Da Redação
[email protected]

Imprimir