Cidadeverde.com
Últimas

PSDB não tem a linha do Bolsonaro e fará oposição a ele ou ao PT, diz Tasso

Imprimir

Foto: Moreira Mariz/Agência Senado

THAIS BILENKY
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS
) - Senador com mais quatro anos de mandato e ex-presidente nacional do PSDB, o cearense Tasso Jereissati afirmou que Jair Bolsonaro (PSL) "não tem a linha" de seu partido, que será oposição no próximo governo, seja o militar o presidente, seja Fernando Haddad (PT).

Para Tasso, "o grupo de Bolsonaro é muito perigoso", e senadores já se articulam em um "grupo do bom senso" para resistir a empreitadas polarizantes. A "ventania no Congresso derrubou bons e ruins", lamentou. O candidato tucano a governador de São Paulo João Doria "não representa a cara" do PSDB, afirmou Tasso.
 
Pergunta - Como está o clima no Senado?
Jereissati - Está pesado. Com a quantidade de gente que não se elegeu, está todo mundo para baixo, deprimido. Acho que nunca vi isso. A renovação, nas outras eleições, não era tão grande, e tem gente muito boa [que não se reelegeu]. Cristovam [Buarque (PPS-DF)], Armando Monteiro [(PTB-PE), que tentou o governo de Pernambuco], Ricardo Ferraço (PSDB-ES). É uma pena.

Os eleitos não têm o mesmo preparo?
Jereissati - A minha primeira impressão é que caiu [a qualidade] pelos que saíram. Não estou vendo gente com esse nível, não. Vai ter muita gente nova, pode ter surpresas, mas a primeira impressão é caiu. A ventania derrubou tudo, bons e ruins. Mas foram os bons, que eram poucos.

Essa onda conservadora reconfigurou o Congresso.
Jereissati - Não foi só conservadora, não, porque os líderes conservadores também foram [embora]. Armando, que era candidato ao governo, Ferraço... Quer um senador que tenha tido desempenho melhor que o Ferraço nesses anos na linha de economia liberal? Eu vejo alguns de extrema direita, que não são liberais na economia, são estatizantes até.

Têm às vezes viés autoritário. O sr. se preocupa?
Jereissati - Existe a preocupação aqui de fazer um bloquinho, bloquinho, não, um grupo do bom senso, seja de esquerda ou de direita, que vá se aglutinando para evitar essa polarização, e que o bom senso prevaleça.

Mas vai ser uma minoria, não?
Jereissati - Não sei, não sei quem vem.

Se Bolsonaro ganha, o sr. tem preocupação com a democracia?
Jereissati - O grupo dele é muito perigoso nesse sentido, mas acho que as instituições, pelo quadro que estou vendo aqui no Senado, serão uma coisa bem resistente, um ponto de equilíbrio bem forte. A confirmar, em função dos que estão chegando aí.

No segundo turno, o PSDB deveria tomar que postura?
Jereissati - Isso que foi decidido, nem um nem outro. [Nos estados], cada um nas suas eleições que tome a versão que quiser. Mas o PSDB não vai apoiar nem um nem outro, e a expectativa é que qualquer um que ganhe nós sejamos oposição. É a minha visão.

Como viu a postura do Doria na campanha?
Jereissati - Ele andou anunciando a posição bolsonariana antecipadamente. Não se empenhou [na campanha do Alckmin] e aparentemente participou de grupos com outra linha para a Presidência, mas eu não estava perto. A sensação que nós temos é que isso aconteceu e com intuito claro de se eleger, porque a corrente bolsonariana em São Paulo ficou muito forte, uma onda muito grande. No intuito de não perder voto e ganhar voto, ele foi para essa linha e abandonou o Geraldo.

Isso, politicamente, tem que efeito?
Jereissati - É ruim, claro. Tem consequências.

É uma traição?
Jereissati - Claro, principalmente em São Paulo, em se tratando do Geraldo. Afinal de contas, Geraldo foi quem fez ele de cabo a rabo. E é ali do lado, não é uma coisa de um sujeito lá no Piauí que não conhece o Geraldo e votou no Bolsonaro. É dentro da casa dele mesmo.

Doria tenta ter controle sobre o partido. Como vê esse movimento? Ele pode ser uma saída para o PSDB neste momento de dificuldades?
Jereissati - Não acho que ele seja a saída, não. Claro, se ele se eleger governador de São Paulo, terá peso muito grande. Mas não sei se ele representa a cara do PSDB nacional nem a cara do PSDB paulista.

Qual é a diferença dele para o PSDB? O que não se enquadra no perfil?
Jereissati - Pode ser até que o antipetismo seja mais forte do que tudo isso, mas a linha do Jair Bolsonaro não é a nossa linha.

O PSDB sofreu a pior derrota na eleição presidencial, encolheu a bancada.
Jereissati - É um momento bem difícil.

Tags: TassoPSDB
Imprimir