Cidadeverde.com
Geral

Somente gestantes de alto risco serão atendidas na maternidade após interdição

Imprimir

Uma reunião de emergência foi convocada com representantes da Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi) e do centro de regulação que faz o agendamento de partos após a interdição ética da Maternidade Dona Evangelina Rosa (MDER) em Teresina. Com a medida, as pacientes de baixa e média complexidade serão encaminhadas para outras maternidades da capital.

Em entrevista ao Notícia da Manhã, desta terça-feira (21), o secretário Estadual de Saúde, Florentino Neto, explica que os partos normais continuam sendo realizados pelo centro de parto normal da maternidade. 

"O que houve foi um dimensionamento da maternidade. O que a maternidade se propõe, o que a Rede Cegonha preconiza é que a maternidade seja de alta complexidade, que apenas os casos mais complexos sejam atendidos na maternidade. No entanto, ao longo do tempo começou a ser atendida baixa e média complexidade que representam mais de 60% das pacientes que aqui ingressam. Isso gera uma superlotação", explica Florentino Neto, secretário de Estado da Saúde. 

Ele ressalta que a medida do Conselho Regional de Medicina (CRM) foi baseada na necessidade de regulamentar o acesso a maternidade. 

"A maternidade deve atender aquilo que ela está vocacionada, aquilo a que propõe. Temos total condição de atender a gestante que necessita de atendimento de alta complexidade. É a única maternidade de alta complexidade do estado do Piauí. Por isso, a maternidade tem que se voltar para a função que é dela: atender a alta complexidade", completa Neto. 

O secretário explica que os casos de baixa e média complexidade devem ser atendidos nas maternidades municipais. 

"Nunca interrompemos esse tipo de atendimento na Evangelina Rosa porque não faz parte da nossa lógica de governo, restringir o atendimento. No entanto, houve essa compreensão do CRM e nós vamos discutir com o CRM  e MP se vamos ficar só mesmo com a alta complexidade que permitirá um funcionamento muito mais proativo ou se haveremos de retornar, no mínimo, com a média complexidade", ressalta o gestor de saúde. 

Florentino Neto frisa que a classificação em baixa, média ou alta complexidade é determinada pelo médicos reguladores baseado em protocolos clínicos. Ele exemplifica:

BAIXA COMPLEXIDADE

- parto normal

MÉDIA COMPLEXIDADE

- parto que necessita de intervenção cirúrgica

ALTA COMPLEXIDADE

- parto que necessita de cuidados especiais com mãe e bebê, como UTI

 

"Por exemplo, as pacientes que vêm do interior já devem vir reguladas. O hospital de origem deve já regular e mandar para Teresina. Se for média complexidade será no Ciama [Dirceu] e se for de alta será na Evangelina Rosa. Aquela paciente que não vem regulada e veio espontaneamente para a maternidade ainda estamos discutindo um serviço no qual ela possa ser atendida na Evangelina por um médico que fará o devido encaminhamento", finaliza Florentino Neto. 

 

FMS envia nota

Por meio de nota, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) informou que as quatro maternidades da prefeitura de Teresina nos bairros Satélite, Promorar, Buenos Aires e Dirceu possuem leitos suficientes para atender e acolher as grávidas da capital. Mas como Teresina é referência para atendimento de  grávidas  com uma região com cerca de 30 municípios é necessária a disponibilização dos leitos de baixo risco da maternida Evangelina Rosa para suprir toda a demanda. A nota destaca ainda o plano da Rede Cegonha onde a MDER aparece com 174 leitos obstétricos, sendo que apenas 48 são de alto risco. 


Graciane Sousa
gracianesousa@cidadeverde.com

Imprimir