Cidadeverde.com
Últimas

Médicos cubanos começam a deixar o Piauí e relatam experiência no Estado

Imprimir
  • cubaa.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • cubaa1.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • cubaa2.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • cubaa3.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • cubaa4.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • cubaa5.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • cubaa6.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • cubaa7.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • cubaa8.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com
  • cubaa10.jpeg Wilson Filho/Cidadeverde.com

Ao embarcarem no Aeroporto Senador Petrônio Portela, em Teresina, rumo à Cuba, nesta sexta-feira(23), cerca de trinta médicos cubanos que atuavam no Piauí, garantiram que irão sentir saudades dos pacientes piauienses. 

Em entrevista ao Cidadeverde.com,  os profissionais cubanos destacam a relação próxima que mantiveram com os pacientes do Piauí durante atuação no programa Mais Médicos.  

O médico Juan Ramon Bello Varela,  52 anos, atuou nas cidades de Luzilândia e Joca Marques. Nos cinco anos em que participou do programa ele afirma que viu uma “população que não tem quase nada”. 

“População muito humilde. Fui tratado da melhor forma possível pelos pacientes. Já estou sentindo muita saudade, porque a gente passa a ter muito apego e fica de coração partido”, conta o cubano. 

O médico lamenta não ter tido tempo suficiente de se despedir dos pacientes. Atualmente ele trabalhava em Joca Marques. Lá, ele conheceu uma mulher e assumiu um relacionamento amoroso. “Vou embora e tentarei voltar. Por enquanto a paquera é só pelo WhatsApp”, afirma Juan. 

O médico Roberto Pérez, 33 anos, atendia pacientes de uma comunidade ribeirinha de Matias Olímpio. O profissional cubano diz que o mais marcante durante sua permanência na cidade foi a relação “muito amiga” que manteve com os pacientes. Já o cubano Leo Darni fala que vai embora com “muita tristeza”, mas que volta para sua família orgulhoso de ter feito um bom trabalho no Brasil. Ele trabalhava em Picos. 

Sobre as exigências feitas  pelo presidente eleito Jair Bolsonaro sobre o programa Mais Médicos,  o médico  Leo Darni afirma não se importar. 

“Nós trabalhamos pela saúde. Não pela política. Nós olhamos para os pacientes”, declarou.

O secretário estadual de Saúde, Florentino Neto, acompanhou os médicos no Aeroporto e agradeceu o trabalho feito por eles no Piauí. Foi concedido aos profissionais certificados de reconhecimento do governo do Estado aos atendimentos prestados pelos cubanos. 

De acordo com a coordenadora do Mais Médicos no Piauí, Edvani Braga, 202 cubanos vieram ao Estado através do programa. Destes, quatro foram embora após concluirem trabalho e hoje 31 retornam à Cuba. Com isso, 167 médicos permancem no Piauí, mas até a primeira semana de dezembro todos devem retornar à Cuba. 

Um novo edital do programa Mais Médicos foi publicado nesta semana para preencher as vagas ocupadas pelos cubanos. As inscrições seguem até o dia 7 de dezembro.


Izabella Pimentel
[email protected]

Imprimir