Cidadeverde.com
Viver Bem

Conheça os benefícios e riscos das dietas da moda

Imprimir

Foto: Pixabay/fotos gratis

A busca por uma vida mais saudável, às vezes, soa sem medo de consequências.  Dietas que aparentam ser milagrosas, ou de rápida absorção, prometem devolver o corpo perfeito a seus adeptos. Mas a que preço? As chamadas “dietas da moda” são capazes de mobilizar milhares de pessoas. Mas é necessária uma série de cuidados antes de embarcar em qualquer uma delas. 

No desejo de conseguir uma mudança satisfatória em pouco tempo, alguns decidem adotar planos rigorosos e restritivos. Que, ainda que permitam perder quilos em questão de dias, com o tempo podem produzir reações indesejadas no organismo. Por isso, sempre é indicado contar com o auxílio de especialistas.  

A paleo, por exemplo, nos estimula a consumir apenas alimentos que poderiam ter sido caçados ou colhidos como na Era Paleolítica. Isso significa muita carne, peixe, folhas, vegetais locais, oleaginosas e sementes. Alimentos processados e açúcar refinado estão fora  

Vegetais amiláceos, grãos, frutas, laticínios, feijões e legumes são consumidos de forma esporádica ou evitados totalmente, dependendo do nutricionista. O lado bom: mais alimentos naturais e menos processados. E o ruim: se laticínios, grãos e legumes estão fora da dieta, perde-se boas fontes de proteínas. 

Whole30 

É vendida como um método de curto prazo (30 dias) para “resetar” a alimentação   Devem ser evitados alimentos processados ou industrializados, açúcares naturais ou artificiais, álcool, grãos, feijões, legumes, soja e laticínios. Também é recomendado evitar carnes que, teoricamente, não fazem bem. 

Se, por um lado, é ideal para uma mudança rápida e drástica, vale lembrar que ela é para apenas 30 dias. Ou seja: caso a pessoa aguente bem esse período, pode continuar com ela, mas com adaptações. Outro detalhe: essa dieta não oferece margem de erro. Ou seja: para ter o efeito, tem que ser seguida à risca.  Seu foco é a redução imediata de peso. 

Cetogênica

Essencialmente, trata-se de um plano alimentar com 75% de gordura, 20% de proteína e 5% de carboidratos. Bastante restritiva, proíbe frutas, grãos, alimentos com amido, legumes, açúcar, álcool e processados. 

O maior ponto positivo é a perda de peso rápida. E o negativo é que o indivíduo come poucas fibras, o que ocasiona prisão de ventre. Além disso, a restrição de carboidratos causa diversos outros inconvenientes, como tremores, alteração de humor, sono e tontura.

 

Fonte: Estadão Contéudo

Imprimir