Cidadeverde.com
Política

Topique: Paulo Martins diz estar tranquilo após ser denunciado pelo MPF

Imprimir

Foto: Wilson Filho/ Cidadeverde.com

O ex-prefeito de Campo Maior e ex-deputado Paulo Martins, atual presidente da Fundespi, enviou uma nota de esclarecimento após ser denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF-PI). A informação veio à tona após coletiva desta terça-feira(29) da Força-Tarefa que investiga a Operação Topique.

Paulo Martins explica quando e como contratou a empresa, quanto tempo durou o contrato e que está tranquilo com os atos praticados. E se coloca à disposição do MPF e da Justiça para prestar os devidos esclarecimentos. 

O Cidadeverde.com também tentou contato com os ex-prefeitos Salete Rego e Eudes Agripino, mas não obteve sucesso e se coloca à disposição de ambos para divulgar as informações necessárias. 

Veja nota na íntegra:

Assumi o município de Campo Maior em 13/02/2011 onde exerci o cargo de Prefeito até 09/08/2012, data na qual foi anulada a eleição suplementar para a volta do prefeito itinerante. Na eleição seguinte fomos eleitos novamente e respondemos pelo município no período de 2013 a 2016. Encontramos uma máquina totalmente sucateada, salários atrasados, cidade abandonada e transporte escolar ineficiente. De início foi aberta uma licitação para contratar diversos serviços, inclusive no tocante à contratação de transporte escolar, cuja empresa vencedora (Locar) prestou serviços, cujos preços cobrados pela empresa eram inferiores aos praticados em Teresina (vide Pregão  001/2013/Semec).

O contrato durou cerca de um ano e meio, e foi cancelado logo após o fim da sua vigência. Tal serviço passou a ser prestado por pequenos empreendedores, selecionados através de licitação, e devidamente capacitados pelo Sebrae. 

Tenho muita tranquilidade para afirmar que sempre conduzi meus atos de forma honesta e transparente, tanto é que minhas contas desse período, em que aconteceu o contrato, já foram aprovadas pelos órgãos de controle.

Após encerrar o mandato em 2016, seja como cidadão ou como gestor estadual, não mantive qualquer vínculo contratual com a referida empresa. Isso só aconteceu no pleito de 2018, quando houve a contratação de dois veículos, cujos pagamentos foram declarados na prestação de contas já entregues à Justiça Eleitoral, devidamente aprovadas.

Tenho consciência que o gestor público, assim como todo servidor, cumpre a honrosa missão de servir à sociedade, por isso nunca deixei de colaborar com os órgãos de fiscalização e controle. Assim, coloco-me à disposição do Ministério Público e da Justiça para que todos os fatos sejam devidamente esclarecidos, inclusive, abro mão de meu sigilo bancário e fiscal e tenho fé que ao final se fará Justiça.

 

Caroline Oliveira
redacao@cidadeverde.com

Imprimir