Cidadeverde.com
Economia

Quatro em cada dez trabalhadores vendem vale-refeição

Imprimir


(Foto: Arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Seja para fazer as compras do mês, complementar o orçamento ou guardar o dinheiro, 39% dos trabalhadores que recebem vale-alimentação ou vale-refeição vendem o benefício (dos quais 44% usam o valor recebido para pagar as contas). Outros 61% garantem não recorrer à prática, principalmente os empregados das classes A e B. A constatação é de uma pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas).

Em levantamento semelhante de 2018, 30% vendiam o ticket, mas, segundo o SPC, não é possível comparar os estudos pois houve mudança na metodologia.

A pesquisa também mostra que mais da metade dos consumidores extrapola a grana paga pelo patrão para se alimentar, e a maioria considera que o valor é baixo e serve apenas como ajuda de custo. 

"As pessoas devem se perguntar se o tícket é mesmo baixo ou se estão escolhendo os lugares mais caros para comer", diz José Vignoli, educador financeiro do SPC. 
Entre os empregados que vendem o VR, segundo o especialista, há aqueles que estão cientes do aperto e levam comida de casa para o trabalho, mas também há outros que gastam o dinheiro com despesas que não são fundamentais e precisam recorrer ao cartão de crédito.

O advogado Maurício De Lion, sócio da área trabalhista do escritório Felsberg, explica que a venda do vale-refeição ou vale-alimentação pode ser punida com demissão por justa causa, além de gerar responsabilização criminal do trabalhador, já que é considerada crime de estelionato. 

"Muitas empresas vêm monitorando se os benefícios somem a partir do primeiro dia do pagamento. Algumas punem a venda com demissão e outras preferem orientar o empregado", diz o especialista. 

De acordo com o PAT (Programa de Alimentação ao Trabalhador), no qual o patrão se inscreve ao pagar o benefício, o vale-refeição tem como uso exclusivo a refeição e não pode ser desviado de sua finalidade.

 

Por MARCELA MARCOS
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) 

Imprimir