Cidadeverde.com
Geral

Operação do Gaeco cumpre 13 mandados em residências de prefeitos e empresas

Imprimir
  • gaeco_(4).jpg Divulgação/Gaeco
  • gaeco_(3).jpg Divulgação/Gaeco
  • gaeco_(2).jpg Divulgação/Gaeco
  • gaeco_(1).jpg Divulgação/Gaeco

Atualizada às 12h45

A promotora Luana Azeredo, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), informou à TV Cidade Verde que as suspostas fraudes ocorriam desde 2016. Ainda não há levantamento do valor que teria sido desviado nos equemas fraudulentos. 

"A organização é voltada para prática a fraudes de licitações públicas. Hoje foram cumpridos treze mandados tantos nas residência na casa dos investigados como na prefeitura de São Miguel da Baixa Grande e na casas de empresários", conta a promotora Luana. 

Até a manhã desta quinta-feira ninguém foi preso na Operação Águas de Março. A promotora Luana afirma que, no momento, não há necessidade de pessoas serem detidas, mas ela não descarta que prisões possam ocorrer nos próximos dias. 

A promotora informou que um pedido de prisão chegou a ser feito, mas foi negado pelo judiciário.  O modo detalhado como os investigados agiam ainda é mantido em sigilo pelo Gaeco.  Em tese, a prefeitura de São Miguel da Baixa Grande contratava empresários para realizar de obras no municipio de forma fraudulenta, segundo as investigações.

Sobre o  prefeito de Manoel Emídio, a promotora afirma que o gestor figura como investigado na qualidade de socio administrador de empresa que fazia obras em São Miguel da Baixa Grande. 

Não existe prazo para a conclusão das investigações.  

Todos os materiais apreendidos hoje, como pen drives, notebooks e documentos  serão analisados por técnicos do TCE e por analistas do Ministério Público. "As investigações terão continuidade", informou a promotora Luana. 

O nome dos alvos da operação ainda são mantidos em sigilo. 

Matéria original

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou, na manhã desta quinta-feira (21), a operação Águas de Março. A força-tarefa cumpre 13 mandados de busca e apreensão em seis municípios do Piauí. Entre os alvos estão prefeituras, prefeitos e empresários.

A Operação Águas de Março ilícitos como fraude à licitação, crimes contra a administração pública e organização criminosa. Os mandados de busca e apreensão são cumpridos em  Teresina, Floriano, Monsenhor Hipólito, São Miguel da Baixa Grande, Manoel Emídio e Monsenhor Gil.

Entre os alvos estão o prefeito e a prefeitura municipal de São Miguel da Baixa Grande, prefeito de Manoel Emídio, engenheiros e empresários com atuação na construção civil.

Foto: Ascom

Segundo investigações do Gaeco, a prefeitura de São Miguel da Baixa Grande, por meio de seu gestor, contratou a construção de obras públicas “desrespeitando a competição entre os interessados, superfaturando os valores correspondentes aos contratos formados pela Administração Pública, além de inúmeras outras irregularidades”. 

O Cidadeverde.com tentou contato com os prefeitos das cidades, mas as ligações não foram atendidas. 

A operação conta com o apoio da Polícia Civil, Militar e do Tribunal de Contas do Estado, tendo sido deferidas as medidas pelo Tribunal de Justiça do Estado do Piauí.

 

 

Izabella Pimentel
Com informações do Gaeco
redacao@cidadeverde.com 

 

Imprimir