Cidadeverde.com
Esporte

Carille bate-boca com jornalista por causa de espião: 'Se equivocam demais'

Imprimir

A relação de Fábio Carille com a imprensa piorou ainda mais após a classificação do Corinthians sobre o Santos no Pacaembu para a final do Campeonato Paulista com uma vitória nos pênaltis após derrota por 1 a 0. Na entrevista coletiva após o clássico desta segunda-feira, ao ser questionado sobre supostos espiões que foram ao CT Joaquim Grava - razão alegada para fechar os últimos treinos do time - , ele perdeu de vez a paciência.

"Que bom você ter levantado isso. Eu ganho um jogo de 1 a 0 na arena de jogada de bola parada que eu treinei. E o técnico adversário, meu amigo, fala: é fogo perder uma bola parada que eu sabia. Quando chamei de mentirosa a imprensa, eu estava na Venezuela. Quando falei isso, disseram que eu estava acertado com o Al-Hilal para ganhar um milhão por mês com o Rodriguinho também acertado", comentou Carille, também relembrando o episódio da sua saída do Corinthians em 2018. 

"Quem falou (sobre o espião)? Uma fonte. É difícil. A gente já vive em um país cheio de problema e de mentira. Eu acertei com o Al-Wheda. Está incomodado? (questionou ao repórter)", acrescentou o treinador. 

A discussão continuou. Os assessores de imprensa do Corinthians tentaram interceder, mas Carille prosseguiu em seu desabafo. "Eu tomei uma pressão no posto de gasolina de um torcedor pois a imprensa falou que eu barrei a chegada do Drogba. Se equivocam demais, talvez a carapuça tenha servido a você", afirmou, apontando supostos erros da imprensa.

Em relação ao jogo, Carille reconheceu que o time foi mal contra o Santos. "Os jogadores sem bola se dedicaram demais. Cumpriram muito função. O ponto alto é a concentração. Mas com a bola não funcionou, mas sem bola funcionou bastante. Agora a partir de quarta-feira vamos pensar no São Paulo", finalizou.

Classificado à final do Paulistão, o Corinthians terá pela frente o São Paulo. Os jogos serão disputados no Morumbi e em Itaquera, provavelmente nos próximos dois domingos.

Por João Prata
Estadão Conteúdo

Imprimir