Cidadeverde.com
Geral

Escola e hospital terão que relatar suicídio tentado e automutilação

Imprimir

Foto: Pixabay / reprodução gratuita

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sancionou na segunda-feira (29) uma lei que prevê que hospitais e escolas passem a notificar casos de tentativa de suicídio e automutilação. Os registros devem ser feitos por clínicas e hospitais públicos e privados às autoridades de saúde. Já as escolas devem notificar os casos ao Conselho Tutelar. A comunicação deve ser feita em sigilo.

O texto prevê ainda a criação de uma política nacional de prevenção ao suicídio e que haja um serviço telefônico para atendimento a pessoas em situação de sofrimento psicológico. Desde o ano passado, o CVV (Centro de Valorização da Vida) oferece atendimento gratuito em todos os estados pelo telefone 188.

A medida, que já havia sido aprovada no Congresso em março, foi publicada no Diário Oficial desta segunda. A proposta é de autoria do deputado federal e atual ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB-RS). A notificação de casos de violência autoprovocada já era prevista em portaria do Ministério da Saúde desde 2014. Agora, vira lei e passa a incluir o acompanhamento por escolas e Conselho Tutelar, segundo o governo.

Inicialmente, o projeto previa a possibilidade de aplicar sanções em caso de não cumprimento da legislação. O trecho, que previa caracterizar a situação como "infração sanitária", foi vetado após ser qualificado como genérico e com pouca aplicação às escolas. Questionado, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, à frente da proposta, informa que pretende discutir a possibilidade de sanções à falta de notificação durante a regulamentação do tema.

Desde o início deste ano, o tema tem sido elencado como uma das bandeiras de gestão da atual ministra Damares Alves. Em palestras, Damares, que é pastora, disse que pensou em suicídio após ser vítima de um abuso sexual, mas desistiu ao ver a imagem de Jesus. Além da nova política, a pasta estuda uma parceria para oferecer uma disciplina de "inteligência emocional" em universidades particulares, com o objetivo de prevenir casos de suicídio e automutilação entre jovens.

A discussão é feita entre o ministério e a Anup (Associação de Universidades Particulares), entidade que abrange 189 instituições privadas –setor que concentra 75% dos estudantes de graduação. A previsão é que a disciplina, com carga horária de 80 horas, seja obrigatória para alguns cursos.

A proposta, porém, tem sido alvo de críticas por especialistas, para os quais a definição de uma "inteligência emocional" é inadequada. Outros apontam risco de tratar a questão do suicídio de forma reducionista. Já a pasta defende a medida. O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016, segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde. Não há informações sobre casos especificamente entre universitários.

No ano passado, a USP criou um escritório de saúde mental após registro de casos. Uma pesquisa de 2009 com 140 estudantes da pós-graduação da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) concluiu que 58,6% dos pesquisadores apresentavam níveis médio e alto de estresse.

Fonte: FolhaPress

Imprimir