Cidadeverde.com
Geral

Galeria do residencial Torquato Neto está prevista para agosto

Imprimir

Depois de ter sido suspensa no ano passado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), uma nova licitação Residencial Torquato Neto está em andamento com conclusão prevista para agosto deste ano.  As obras devem durar 20 meses.

Com um grave problema de escoamento de água no bairro, moradores do Residencial Torquato Neto sofrem com os alagamentos no período chuvoso. A força da água arrasta carros e ilha moradores. Em dezembro de 2018, uma mulher morreu após ter sido levada pela enxurrada.

A chuva desta sexta-feira (17) voltou a causar transtornos para a população do local. “Como pega uma criança na escola? Como sair para ir ao centro”, reclama uma moradora apontando para o forte fluxo de água escoando pela rua.

“Meu carro está ilhado, não tem como passar para outro lado” diz outro morador.

Prevista com investimentos de R$ 70 milhões, a Prefeitura Municipal de Teresina garante ter R$ 65 milhões em caixa para a obra que teve a licitação cancelada por desatualização nas planilhas de custos.

Paulo Lopes, superintendente da SDU Sul afirma que a galeria será importante para a drenagem da capital. “A obra está novamente licitada, com a licitação concluída vamos enviar para a Caixa para autorização do início de obra, final de julho início de agosto”, explicou.

Problema urbano

Para o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh), Marco Antônio Ayres, a drenagem em Teresina e nos demais centros urbanos do país, foi prejudicada pela urbanização não planejada.

“A água sai procurando o caminho dela. Se tivéssemos respeitado o caminho da água, não estaríamos com esse problema de drenagem”, afirmou o secretário em entrevista à TV Cidade Verde.

Foto: Letícia Santos/Cidadeverde.com

Promorar

Sobre o problema de alagamento na avenida principal do Promorar, o secretário da Semduh explicou que a galeria do bairro é insuficiente para o tamanho da região. “Com a impermeabilização por conta das casas e ruas, a galeria é insuficiente”, pontua.

Valmir Macêdo
[email protected]

Imprimir