Cidadeverde.com
Esporte

Ex-Corinthians, Felipe reforça Atlético de Madrid para substituir Godín

Imprimir

Em meio a perdas em seu elenco nas últimas semanas, o Atlético de Madrid confirmou nesta terça-feira o seu primeiro reforço para a temporada 2019/2020. Trata-se do zagueiro Felipe, ex-Corinthians, e que estava defendendo o Porto desde 2016. De acordo com o time português, o Atlético desembolsou 20 milhões de euros (cerca de R$ 90 milhões) pelo jogador de 30 anos. 

Felipe assinou contrato de três anos e chega ao tradicional clube espanhol com a dura missão de substituir o uruguaio Diego Godín, referência da equipe na defesa nos últimos anos - Godín, considerado um dos melhores zagueiros da Europa, deve ser confirmado na Inter de Milão nos próximos dias. 

Ao ser anunciado pelo clube de Madri, o zagueiro brasileiro recebeu diversos elogios. "Felipe é um defensor versátil, experiente e com liderança dentro de campo. Nos times que já jogou, foi capitão", registrou o Atlético, ao lembrar também as conquistas do jogador pelo Corinthians. "Ele chegou ao Porto em 2016 após performances impressionantes pelo Corinthians, onde ganhou diversos títulos."

Pelo time paulista, Felipe participou das conquistas do Mundial de Clubes de 2012, do Paulistão de 2013 e do Brasileirão de 2015 Pelo Porto, foram dois troféus: o Campeonato Português na temporada 2017/18 e a Supertaça Cândido de Oliveira, no ano passado. Foram 142 jogos e 11 gols pela equipe.

No Atlético, Felipe deve atuar pelo lado esquerdo, mesma posição em que atuava Godín. Assim, o brasileiro vinha jogando no Porto, ao lado de Pepe. Éder Militão era improvisado na lateral. O novo zagueiro do Atlético vai se apresentar no dia 4 de julho. 

Ao chegar à importante equipe espanhola, Felipe deve encontrar um time em reformulação. Isso porque Godín não foi o único a deixar o clube. O brasileiro Filipe Luís, o espanhol Juanfran e o uruguaio Lucas Hernandez também estão de saída. E o atacante francês Antoine Griezmann já se despediu da equipe comandada pelo técnico Diego Simeone.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir