Cidadeverde.com
Entretenimento

'Não vamos parar até que a mudança de fato aconteça', diz Fernanda Lima na Parada

Imprimir

Fotos: Reprodução/instagram/@fernandalimaoficial

Famosos participaram da Parada Gay 2019, que aconteceu neste domingo (23), na avenida Paulista, em São Paulo.

Pelo Instagram, a apresentadora Fernanda Lima, que é madrinha da Parada, lembrou que a festa deste ano é dedicada aos "50 anos de Stonewall", um conflito que aconteceu em 1969 em um bar nos Estados Unidos.

Foi a primeira vez que a comunidade LGBT se juntou para resistir aos maus tratos e violências sofridos e, por isso, a data se tornou um marco para o movimento LGBTI+.

"Quando a polícia decidiu realizar mais uma de suas violentas invasões no Stonewall Inn, um bar queer de Nova York em 1969, não esperava que o público se revoltaria. Liderado por uma mulher transgenere negra, chamada Marsha P. Johnson, a revolta daria início a um dos marcos na luta pelos direitos LGBTs no mundo", escreveu a apresentadora.

Ela ainda afirmou que muita coisa já mudou, mas ainda é preciso lutar contra o preconceito. "Não vamos parar, até que a mudança de fato aconteça".

O jornalista Marcelo Tas também subiu no trio e publicou nas redes sociais: "Nosso orgulho é lutar por direitos humanos". O filho de Tas, Luc, é transexual.

Além dele, Thammy Miranda, Marta Suplicy e a atriz Maria Casadevall circularam pela avenida. 

AS ATRAÇÕES DA PARADA
Quem comandou a abertura da Parada Gay foi a drag queen Tchaka, ao lado da madrinha da parada, Fernanda Lima. 

Neste ano, a Prefeitura de São Paulo investiu R$ 1,8 milhão em apoio ao evento, fora os incentivos da iniciativa privada. O patrocínio oficial, por exemplo, ficará por conta da empresa de carros por aplicativo Uber com seu trios elétricos de números 15 e 16.

Encorpando a festa, a Avon colocou um trio elétrico saindo do Masp com Aretuza Lovi, Luísa Sonza, Pocah e Glória Groove, esta última que vem ganhando notoriedade no cenário da música LGBTQ+.

A cantora, conhecida por hits como "Bumbum de Ouro", "Coisa Boa" e "Joga a Bunda", aposta no novo sucesso "Yoyo" produzido em parceria com a cantora Iza. Já Aretuza Lovi tem na lista várias hits como "Joga a Bunda", "Catuaba" e "Movimento". 

Mel C, Lexa e o grupo drag Sink the Pink também sairam nos trios elétricos 17 e 18.

Para representar a causa gay, Mateus Carrillho foi quem subiu ao trio. A causa trans estará presente por meio de Candy Mel; as lésbicas foram representadas por Bia Ferreira; o grupo de queer por Lia Clark; as pessoas agênero por Triz; e o gênero flúido por Dudu Bertholini, que foi o mestre de cerimônias.

Os não-binários tiveram como representante Jaloo; os interssexuais por Dionne Freitas; assexuados por Cup; bissexuais com Karol Conká; panssexuais com Dríade Aguiar ; e polisexuais representados por Mulher Pepita. A atriz global Bruna Linzmeyer também marcou presença. Como aliada da causa, a cantora Alinne Rosa também se apresentou.

 

Fonte: Folha Press

Imprimir