Cidadeverde.com
Geral

Falta de pré-natal gera morte de 52 bebês por mês no Piauí

Imprimir

Segundo levantamento divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi), 627 bebês morreram no Piauí em 2018, uma média de 52 mortes por mês. Um terço deste número é de pacientes da Maternidade Evangelina Rosa, que registra um nascimento médio de 30 bebês por dia, razão pela qual fez a unidade passar por intervenção ética em novembro do ano passado.

Ainda de acordo com a Sesapi, a mortalidade infantil reduziu cerca de 15% nos últimos sete anos. A carência de um pré-natal de qualidade ainda é tida como principal fator de mortalidade. De acordo a Sesapi, 25% dos casos em que há morte da criança ou da mãe não há sequer registro de acompanhamento de pré-natal.

Das mortes de mulheres no Piauí, 44,8% tem idade entre 20 e 29 anos. Em entrevista sobre o tema na TV Cidade Verde, o secretário de Saúde, Florentino Neto, afirmou que muitas mulheres deveriam ter um acompanhamento especializado identificado apenas com um acompanhamento pré-parto.

“No pré-natal exige a transferência dessa mulher a outras unidades, caso haja complicações, para ter acesso a um pré-parto para ser acompanhado por um especialista da área”, disse.

Foto: Letícia Santos/Cidadeverde.com

De acordo com o secretário, atualmente a mortalidade materna chega a uma mulher para cada 72 que passaram por trabalho de parto com nascidos vivos. “Queremos reduzir mais de 4,3% ao ano, chegar em 2023 com 53.05 nascidos vivos”, afirmou.

A mortalidade infantil no Piauí é de 17,8 mortes para cada mil bebês nascidos vivos. A meta da Sesapi é chegar 2023 a 16,4 mortes. “Óbitos fetais, 11 para cada 100 nascidos vivos, queremos chegar a 9 em 2023”, apontou.

Investigação

Florentino explicou que todas as mortes estão sendo investigadas. “Toda morte de uma gestante ocorrida de um recém-nascido é investigada. Temos um comitê de investigação de mortalidade materno-infantil”.

Hospital de Picos

Na entrevista, o secretário reforçou a necessidade de desembargo das obras do Hospital de Picos. “Temos R$ 35 milhões à disposição, depositados, prontos para a construção desse hospital que é um direito a ter um hospital condizente com a região”. As obras estão paralisadas por um embargo judicial entre o Estado e a empresa que iniciou a construção.

Transplante

Segundo Florentino Neto, o Hospital Getúlio Vargas (HGV) está em parceria com o Albert Einsten sob acompanhamento do Ministério Público para dar início a transplantes de fígado no Piauí. De acordo com a Sesapi, foram realizados 140 transplantes de córnea no HGV e 18 transplantes de rins.

Valmir Macêdo (com informações da TV Cidade Verde)
valmirmacedo@cidadeverde.com

Imprimir