Cidadeverde.com
Geral

Clandestinidade manterá Peste Suína Clássica no PI, diz presidente de cooperativa

Imprimir
Foto; Roberta Aline/Cidadeverde.com

 
O presidente da Cooperativa Piauiense de Suinocultura, Jesus Rodrigues, afirmou ao Cidadeverde.com que enquanto houver a presença de suínos caipiras haverá possíveis focos da Peste Suína Clássica (PSC) no Piauí. Até o dia 06 de julho deste ano, 16 focos foram confirmados pela Agência de Defesa Agropecuário do Piauí (Adapi) espalhados por sete municípios.
 
Se por um lado a presença da doença assustou principalmente os consumidores da carne, pelo outro, segundo Jesus Rodrigues, as restrições diante da doença e o aumento da fiscalização provocaram a melhoria na qualidade do produto, mesmo diante do sacrifício de alguns animais doentes. Segundo a Adapi, mais de 3500 animais já foram mortos por causa da doença. 
 
Para Rodrigues, a presença da doença obrigou o Estado, por meio da Adapi, a disciplinar a venda do suíno em território piauiense, em especial o clandestino — quando o animal é criado e abatido sem seguir regras mínimas de higiene, por exemplo.
  
"Enquanto existir a criação do suíno caipira, sem técnica, sem regra, sendo criado de qualquer forma, alojado em qualquer local, se alimentado do que for possível, sempre haverá o grande risco de ter focos", disse o presidente da cooperativa. 
 
Ele contou que hoje, após a descoberta dos focos da PSC, o suíno criado com regras, seguindo os critérios da Vigilância Sanitária, saem dos criadores diretamente para os abatedores cadastrados no Governo do Estado e, após abate adequado, seguem para o ponto de venda final, como supermercados e frigoríficos.  Antes o animal saía vivo do criadouro e iria para qualquer lugar. 
 
"Essa questão traz uma segurança para o consumidor. Infelizmente, a capacidade do Estado de fiscalização não é tão ampla. Em um momento de crise, de surgimento de focos, há essa concentração neles, convocam técnicos, mas essa fiscalização ainda assim não é tão intensa como se deveria ser. A fiscalização é importante não só na questão dos suínos, mas pela questão geral das carnes para que o Estado dê segurança à população de que ela está consumindo uma carne de qualidade ", comentou. 
 
Municípios com registro de focos:
 
Brasileira
Cabeceiras do Piauí
Domingos Mourão
Lagoa do Piauí
Milton Brandão
Murici dos Portelas
São João do Arraial
 

Fonte: Adapi


A última nota técnica da Adapi, divulgada no início de julho, destacou, além dos focos confirmados, que "foram realizadas 79 investigações de suspeitas de ocorrência de PSC. Destas, 22 foram não fundamentadas e 57 fundamentadas. Dentre as últimas, 40 apresentaram diagnóstico negativo para PSC e um está aguardando laudo laboratorial".

Sobre os casos, o Gerente de Defesa Sanitaria Animal da Adapi, Idílio Moura, comentou que não há previsão para erradicar a doença no Piauí. No entanto, "as notificações suspeitas estão reduzindo. Acreditamos que em breve estaremos com a situação controlada". 
 
A PSC acomete somente o porco e javali. Logo,  não é uma zoonose. A Adapi divulgou em nota técnica que "continua atenta ao surgimento de novos casos e informa que todas as medidas mitigatórias estão sendo tomadas para o controle da doença", 
 
"As medidas para contenção dos focos e eliminação da doença seguem as orientações da Instrução Normativa SDA Nº 27, de 20 de abril de 2004, que aprova o Plano de Contingência para PSC. Neste sentido, são estabelecidas zonas de vigilância para investigação epidemiológica, restrição do trânsito de suínos, produtos e subprodutos, e eliminação dos animais afetados, assim como outras medidas", finaliza a nota.
 

Carlienne Carpaso
[email protected] 
Imprimir