Cidadeverde.com
Esporte

Para apagar incêndio, Palmeiras tenta enfim explorar trunfos do calendário

Imprimir

O Palmeiras enfrenta o mais grave incêndio da temporada. Para possível alívio de jogadores, comissão técnica, diretoria e torcedores, o calendário oferece alguns trunfos nestes próximos dias no sentindo de amenizar as chamas alviverdes. Mas, desta vez, eles precisam ser aproveitados pelo clube.

Eliminado da Copa do Brasil e também da Libertadores, o Palmeiras não entra em campo neste meio de semana. Seu próximo compromisso é sábado (7), contra o Goiás, em Goiânia, pela penúltima rodada do primeiro turno do Campeonato Brasileiro.

O tempo para trabalhar (e conversar) é comemorado por Felipão e seus comandados.

"Nós vamos ter de resgatar trabalhando. Bastante diálogo, amostra de detalhes que tenham acontecido para tentarmos fazer algo melhor. Conversar bastante sobre tudo aquilo que precisamos conversar principalmente sobre Campeonato Brasileiro, [em] que ainda temos 20 e poucos jogos. 

Nada está terminado. Neste sentido, temos ainda uma grande possibilidade de reação. É fazer esse trabalho em conjunto, vamos ver se até sábado a gente consegue, para o jogo contra o Goiás", disse o treinador palmeirense após a derrota deste domingo (1º) para o Flamengo.

O problema é que, nas últimas vezes em que Felipão teve tempo para trabalhar com seus atletas na Academia de Futebol, o Palmeiras não mostrou indícios de melhora. Foi assim antes da derrota para o Grêmio na Libertadores e dos recentes empates contra Bahia e de novo Grêmio pelo Campeonato Brasileiro.

Um diferencial (e outro trunfo) desta vez é a suposta fragilidade dos adversários. Nas cinco próximas partidas que disputar, o Palmeiras enfrentará times que hoje brigam na parte debaixo da classificação. São eles: Goiás, Fluminense, Cruzeiro, Fortaleza e CSA. As pedreiras voltam ao caminho alviverde somente após essa sequência.

De novo, porém, cabe destacar o desperdício do Palmeiras. Contra adversários mais frágeis, nas últimas vezes que os enfrentou (Vasco e Ceará, ainda em julho), o Palmeiras somou apenas um ponto em seis disputados.

A ideia é agora enfim aproveitar os trunfos que, ao menos em teoria, o calendário dará ao Palmeiras neste mês. E assim apagar um incêndio causado por diversos "produtos inflamáveis", como a queda da primeira para a quinta posição no Brasileirão, eliminações nos mata-matas e fim de tabus históricos contra Grêmio (para quem perdeu de forma inédita no Pacaembu) e Flamengo (contra quem sucumbiu pela primeira vez em mais de cinco anos).

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir