Cidadeverde.com
Entretenimento

Narguilé Hidromecânico retorna aos palcos com show único na praça Pedro II

Imprimir

Fotos: Divulgação Narguilê Hidromecânico

Uma das bandas de música autoral mais conhecidas do Piauí retorna em uma apresentação única, após anos de dissolução. Em um show gratuito e nostálgico, a banda Narguilé Hidromecânico se apresenta na Praça Pedro II, nesta sexta-feira (8), a partir das 19h.

A apresentação única, segundo o vocalista Fábio Crazy, é dedicada aos fãs da banda que fez história desde 1997. “Na verdade, é mais um presente para a platéia, um reencontro, não é nada mais grave do que isso”, brinca.

Além de Fábio no vocal, a composição desta sexta conta com André Sousa na guitarra, Sandro Saldanha na bateria e Luciano Reis no contra-baixo. 

A direção do show, que tem previsão de duas horas de duração, tem assinatura de Fábio Crazy. Ele adiantou o que está preparando para apresentação e que pretende ressaltar no show a Narguilé enquanto “patrimônio afetivo” do público em uma “convergência de energias”.

“O que a gente não conseguiu produzir fonograficamente gravando, a gente conseguiu na qualidade do show. Resolvi pegar cenas e atos de show, tudo reunido de forma que a galera tenha um show visual de pacote completo”, disse o vocalista. 

O show faz parte da programação do projeto Entrecultura na Praça e contará com comidas e cervejas artesanais. 

Fim da banda

Questionado sobre o fim da banda, Fábio Crazy, contou que o processo fez parte de um novo momento na carreira de seus integrantes. 

“O Narguilé tinha se dissolvido de uma maneira bem natural, todo mundo envolvido em outros projetos e a banda, que carrega uma certa mitologia, talvez estivesse nos atrapalhando em alguns processos criativos. A gente chegou à conclusão de que Narguilê tinha cumprido seu papel”, lembrou.

Recentemente a banda disponibilizou todos os discos nas plataformas digitais. 

Cenário musical

Fábio avalia uma transformação do cenário musical piauiense nos últimos anos. “Mudou drasticamente. “Antes do Narguilê existia uma cultura cover na cidade e existia uma cena underground muito forte, de bandas de metal, de hardcore. A cena que produzia música nessa época, que eu curtia, eram bandas de metal, não tinha bandas de música pop. Acho que Narguilé foi a banda que decidiu liquidificar isso”, relembra.

O vocalista da Narguilé ainda citou bandas do cenário alternativo que tem chamado sua atenção. “Teresina se for contar de 22 anos pra cá tem muita banda, e muitas bandas de qualidade. Posso falar mais do circuito underground local. Gosto de bandas como Wake up, Killer!, Daniel Felipe, Nevi Lunes, de Parnaíba, Banheiro de Rodoviária, banda de hard core”.

Foto: Valmir Macêdo

Fábio Crazy, vocalista do Narguilé

Projeto pessoal

Morando em Parnaíba, o mais recente trabalho do vocalista Fábio Crazy é o novo álbum da banda Eletric Zamba. A banda nasceu em Amsterdã e vive agora uma nova composição, com músicos parnaibanos. Crazy também lançou um selo de música, o Solar 6 Voltz discos, e já lançou álbuns de novos artistas locais.

 

Valmir Macêdo
valmirmacedo@cidadeverde.com

Imprimir