Cidadeverde.com
Cidades

Adolescente suspeito de planejar atentado em escola teria agido com mais pessoas

Imprimir

Foto: Ascom/SãoPedrodoPiauí

O delegado Regional de Água Branca, Paulo Nogueira, ouviu, na manhã desta terça-feira (12), o depoimento do adolescente de 16 anos suspeito de prometer invadir e realizar um massacre  na escola Landri Sales, localizada na cidade de São Pedro do Piauí, distante 107 Km de Teresina.

As ameaças foram postadas nas redes sociais Twitter e Instagram. O adolescente foi ouvido na presença da mãe e outros familiares. De acordo com informações  apuradas pelo Cidadeverde.com, a princípio o menor, que estava tranquilo no momento do depoimento,  negou, mas depois admitiu ser o autor das ameaças nas redes sociais.

Após o depoimento, o adolescente, que atualmente não estuda em nenhuma escola,  foi liberado. A Polícia Civil cumpriu mandados nesta manhã  e apreendeu computador e celulares na casa do menor. Os equipamentos serão periciados.

O caso está sendo investigado pela Delegacia Regional de Água Branca em parceria com a Diretoria de Inteligência da Polícia Civil. As investigações estão adiantadas e a polícia já sabe que, além do adolescente, há mais pessoas envolvidas nas ameaças.

O juiz da comarca de São Pedro do Piauí determinou sigilo nas investigações.

Aulas suspensas

Desde ontem (11) as escolas públicas e privadas de São Pedro do Piauí estão com as aulas suspensas. Mais de três mil estudantes estão sem ir à escola.

O secretário municipal de Educação, Cantidiano Soares, informa que, diante do avanço nas investigações, nesta quarta-feira (13) as aulas deverão ser retomadas. A secretaria já solicitou ao secretário Estadual de Segurança, Fábio Abreu, reforço policial no entorno dos colégios.

O secretário critica a onda de boataria que tem se espalhado no município de São Pedro. "Estávamos assustados. Mas notei que depois das divulgações que a policia já havia identificado o autor, o clima na cidade melhorou. No entanto, a população está de certo modo exagerando, divulgando fotos de pessoas que supostamente teriam participado das ameaças. E isso gera um clima de incerteza", comentou.

Izabella Pimentel
[email protected]

Imprimir