Cidadeverde.com
Esporte

São Paulo tem saída para tornar compra de Volpi 'mais leve' em 2020

Imprimir

Único jogador a ter o nome gritado antes da partida contra o Internacional, Tiago Volpi está nas graças da torcida e perto de ser comprado pelo São Paulo. A diretoria confia que será possível viabilizar a compra do goleiro, que está emprestado pelos mexicanos do Querétaro, e aposta em uma cláusula que deixaria o pagamento menos impactante no orçamento do clube em 2020.

Quando fechou o empréstimo com o Querétaro em dezembro de 2018, o São Paulo acordou o preço de compra em 5 milhões de dólares (na cotação atual, R$ 20,94 milhões). Os mexicanos preferiam um pagamento à vista, mas a diretoria paulista conseguiu negociar uma cláusula que permitia uma entrada menor e o parcelamento do valor restante.

Assim, a tendência é que o São Paulo pague US$ 2,5 milhões (cerca de R$ 10,47 milhões) na virada do ano, quando termina o prazo de prioridade de compra e a validade do preço fixado no empréstimo. Depois, mais US$ 2,5 milhões serão divididos em parcelas espaçadas. As bases do contrato com Volpi -tempo e salários do novo vínculo- já estão sacramentadas.

Esse cenário ajuda a aliviar um pouco o orçamento para 2020, quando o salário de jogadores caros do elenco ficarão ainda maiores. Com Juanfran, Daniel Alves e Alexandre Pato, o São Paulo fez acordos para pagar vencimentos mais baixos neste segundo semestre e aumentá-los gradativamente até que, no fim de seus contratos, o valor total prometido de salários seja completado.

Além de Volpi, o São Paulo deve fazer movimento semelhante para adquirir o lateral-direito Igor Vinícius. Ele está emprestado pelo Ituano até o fim deste ano e o Tricolor já até colocou essa compra na previsão orçamentária da próxima temporada. O valor estipulado para o negócio, que envolve 50% dos direitos econômicos do ala de 22 anos, é de R$ 2 milhões.

A tendência é que contratações de peso, como foram as de 2019 com Pablo, Alexandre Pato, Hernanes e Daniel Alves, não sejam comuns. A aposta será na manutenção desses atletas e em investimentos pontuais, a depender do quanto for arrecadado com a transferência de jovens do elenco. Antony, por exemplo, tem proposta de time alemão.

BRUNO GROSSI
SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS)

Imprimir