Cidadeverde.com
Cidades

Áudio de comandante da PM que defende morte de bandidos gera divergências

Imprimir

Foto: Reprodução/Arquivo TV Cidade Verde


O coronel Edvaldo Viana, comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar em Picos, defendeu em áudio que circula nas redes sociais que a polícia deve “descer as cordas” nos assaltantes que mataram um empresário da cidade. Na gravação, que gera discussão na internet, o comandante afirmou que os criminosos são "covardes" e  que "eles não têm condição de serem pegos vivos".

A morte do empresário Edilson Oliveira, de 59 anos, na tarde do último sábado (28) em uma granja em Picos gerou revolta na cidade. O empresário foi morto a tiros dentro do estabelecimento. Um suspeito foi preso no mesmo dia e liberado pela polícia. A gravação do comandante gerou discussão a favor e contra a postura do coronel. 

Segundo a PM, os funcionários e a viúva do empresário testemunharam que dois homens chegaram ao local em uma moto e, armados, anunciaram o assalto. 

No áudio, compartilhado pelas redes sociais, o comandante lamenta a morte de Edilson Oliveira e condena a ação violenta dos criminosos.

“Infelizmente nós estamos terminando o ano com uma péssima notícia. Foi vítima de homicídio o senhor Edilson Oliveira, um grande empresário cidadão de Picos. Então nesses dois últimos anos infelizmente foi o primeiro cidadão a vir a falecer vítima de homicídio. Porque para mim quando bandido morre, para mim descer as cordas”, disse o policial militar. 


“Já determinei que a minha equipe de inteligência que nós só vamos parar essa perseguição, essa busca, quando nós pegarmos os dois bandidos. E digo mais, eu quero que eles reajam, porque eu sempre vou usar daquela minha frase, reagiu tem que descer as cordas. O sentimento que nós temos, eu como policial militar, eu como comandante da segurança de Picos, eu me sinto realmente ferido”, disse.

Na gravação o coronel assegura que a polícia não vai parar as diligências até encontrar os suspeitos, estando estes vivos ou mortos.

“A minha equipe só vai parar quando pegar eles, ou vivo ou morto. Porque bandido dessa característica, covarde como eles, eles não têm condição de serem pegos vivos”, finaliza o comandante no áudio.

Ao Cidadeverde.com, o comandante confirmou que o áudio foi gravado por ele. “Eu assino embaixo, porque sei que ele era bandido. Uma testemunha reconheceu a foto dele. Ele matou friamente. Eu vou provar que foi ele quem matou”, afirmou. 

De acordo com o coronel Edvaldo Viana, o empresário teria sido morto após o assaltante perceber que foi reconhecido por ele. “Ele não reagiu, o assaltante matou ele a sangue frio, a queima roupa”, disse.

Um dos suspeitos foi preso ainda na noite do sábado mas depois foi liberado. “Um deles age a mão armada estava preso há dois meses ou mais e a esposa (da vítima) o reconheceu”, assegura o comandante da Polícia Militar de Picos que afirma ainda já ter os nomes dos dois envolvidos e garante que o crime foi gravado câmeras de segurança do local. 

Leis reforçam impunidade

“Difícil não é pegar, é manter preso. Cada dia que passa os cidadãos estão mais presos. Eu não culpo ninguém, eu culpo as leis”, informou o coronel Viana. Ao ser questionado sobre a sensação de impunidade da população diante da Justiça, o coronel afirmou. “Eu não acho, eu tem convicção de que as leis beneficiam esses sujeitos”, afirmou.

Ainda de acordo com o comandante da PM, o suspeito preso estava com a mesma arma usada no crime que matou o empresário, um revólver calibre 38.

 

Valmir Macêdo
[email protected]

Imprimir