Cidadeverde.com
Últimas

Áreas da enfermaria do Hospital Infantil são isoladas após infiltrações

Imprimir
  • hospitalinfantil-graci.jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • po.jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • sindicatoenfermeiroserick.jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • transformador.jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • viniciusnascimento-graci.jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • hospitalinfantil-graci-reforma.jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • hospitalinfantil-graci-reforma1.jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com
  • hospitalinfantil-graci-reforma2.jpg Graciane Sousa/Cidadeverde.com

Uma enfermaria e um dos postos de enfermagem do Hospital Infantil Lucídio Portella em Teresina foram interditados após infiltrações durante a chuva que caiu esta semana. Vídeos gravados por celulares mostravam fios à mostra e goteiras no prédio. 

O diretor do hospital, Vinicius Nascimento, explica que houve remanejamento de pacientes para outras áreas, mas sem comprometimento no atendimento. 

"O posto foi isolado e estamos em início de processo de reforma que já era esperada. Por segurança só antecipamos o reparo para evitar novas infiltrações", explica o diretor. No hospital há pelo menos outras dez enfermarias. 

Ele pontua que o telhado do prédio está sendo trocado e integra uma obra maior que já estava em andamento. 

"É uma reforma ampla. São quase 3 mil metros de telhado que estão sendo trocados. A obra deve ser findada nos próximos 30 dias e a infiltração vai chegar a um fim definitivo", explica Nascimento. 

A reforma contempla ainda a parte hidráulica e elétrica. O diretor frisa que leitos estão sendo fechados, pontualmente, sem prejuízo. O Hospital Infantil  Lucídio Portella é o único público no Estado com atendimento pediátrico de média e alta complexidade. 

"Qualquer parada no hospital geraria um dano muito grande. Por isso a obra acontece paulatinamente", concluiu Vinicius Nascimento. 

O prédio foi fundado na década de 30 e a última reforma ocorreu nos anos 90.

 

Sindicato vai acionar o MP

Erick Ricely, presidente do Sindicato dos Enfermeiros Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Piauí (Senatepi) disse que durante a chuva houve registros ainda de fogo na tomada de um ar-condicionado e uma enfermeira que caiu após escorregar na água dentro do prédio. 

"Os problemas sempre se repetem e isso prejudica pacientes e faz com que os profissionais, que já são sobrecarregados e mal remunerados, tenham que fazer gambiarras para trabalhar. Um local não salubre reflete na qualidade do atendimento ao paciente. Vamos acionar o MP para acompanhar mais de perto essa situação", disse Ricely. 

Ele cita ainda rachaduras no prédio e quatro setores da enfermaria comprometidos durante a chuva.

 

 

Graciane Sousa
[email protected]

Imprimir