Cidadeverde.com
Geral

Pai de duas filhas nota mil na Redação do Enem diz: "disputavam" notas

Imprimir
  • 20200117105154_IMG_6760.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200117105303_IMG_6772.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200117105452_IMG_6786.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200117105453_IMG_6787.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200117105537_IMG_6789_(1).jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200117105538_IMG_6790.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200117104355_IMG_6728.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • 20200117104419_IMG_6735.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

A família da estudante nota mil na Redação do Enem, Vitória Castro, já está acostumada a ter desempenhos excelentes no exame. Em edições anteriores, as duas irmãs da jovem  também tiveram notas expressivas.

O pai de Vitória, o engenheiro Vitório Oliveira, conta que a filha Débora Castro também tirou nota mil na Redação quando fez o exame. A outra filha, Isadora Castro, fez 960 pontos e conseguiu o primeiro lugar em Medicina na Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).  

O histórico da "família nota mil" é motivo de orgulho triplo para Vitório. "Mas ninguém acostuma com felicidade, mas que é bom é", afirma o pai.

O pai da estudante Vitória Castro, nota mil na edição 2019, lembra que sempre incentivou as filhas a lerem muito e que a casa delas sempre foi um "ambiente de estímulos".

"Eu estimulava elas através da nota. Quando uma tirava nota ruim e outra nota melhor, eu naturalmente confrontava as notas. E isso era um estímulo. Elas disputavam as notas entre si", conta o pai.

Vitória contou ao Cidadeverde.com  que para escrever sobre “Democratização do acesso ao cinema no Brasil” fez referências ao livro Cidadãos de Papel, de Gilberto Dimenstein. Nesta obra o autor defende que os Direitos Humanos existem, mas não são respeitados no Brasil. O geógrafo Milton Santos e o filósofo inglês John Locke, conhecido como pai do Liberalismo, também foram citados na redação da jovem.

No texto a estudante argumentou que há falta de acessibilidade ao cinema no Brasil para quem é pobre e mora longe de capitais. 

"Coloquei de repertório o Cidadão de Papel que fala que muitos cidadãos possuem seus direitos garantidos apenas na teoria, mas que na prática não têm. Muitas pessoas não têm acesso ao cinema tanto pela questão do valor, que é exacerbado, quanto pela localização. Muita gente mora na zona Rural e nunca foi. Eu usei Milton Santos e John Locke para falar sobre isso”, disse Vitória.

Vitória era aluna do sistema CEV de ensino de 2015. A coordenara da Área de redação da escola, Patrícia Lima, diz que o desempenho de Vitória é resultado de vários anos de trabalho.
"A Vitória é nossa aluna já há alguns anos, irmã de outra aluna também que foi campeã aqui no grupo CEV. Estamos extremamente felizes com o resultado", disse.


Izabella Pimentel
[email protected]

Imprimir