Cidadeverde.com
Esporte

Futebol: Tribunal afasta suspeitos de manipular resultados no Rio de Janeiro

Imprimir

O TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) do Rio de Janeiro suspendeu por 30 dias os presidentes do Atlético Carioca, Maicon Vilela, e do São José, Adilson Faria. A dupla é suspeita de envolvimento em esquema de manipulação de resultados no futebol carioca.

A informação foi revelada pela Globo, que no último domingo (26) exibiu reportagem, no programa Esporte Espetacular, denunciando o esquema de manipulação na Série C do Estadual.

Além de Vilela e Faria, o TJD também puniu preventivamente o empresário Emerson Silvano da Silva, investidor do São José, Maurício Pelegrini, diretor da base do clube, e Tiago Soeiro, auxiliar técnico do Atlético Carioca.

Todos negam participação no esquema, que será julgado pelo tribunal até o fim de fevereiro.

Presidente do TJD do Rio de Janeiro, Marcelo Jucá classifica a manipulação de resultados como uma das "práticas mais repugnantes, reprováveis e nojentas do esporte". Ele também afirmou que os fatos apresentados pela reportagem são "gravíssimos e reprováveis ao extremo".

Na noite da última segunda-feira (27), a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) também já havia suspendido preventivamente os cinco envolvidos no caso, que podem ser banidos do futebol de acordo com o artigo 242 do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva).

Pelo menos 8 dos 15 clubes que participaram da Série C são suspeitos de venderem seus jogos para beneficiar apostadores.

Em um áudio obtido pela reportagem do Esporte Espetacular, o presidente do Atlético Carioca, Maicon Vilela, é flagrado comemorando um gol contra o seu próprio clube. Na conversa entre ele e o auxiliar técnico da equipe, Thiago Soeiro, Vilela diz a Soeiro que seu time precisa sofrer um gol ainda no primeiro tempo.

"Faltam cinco minutos. Eu estou desesperado aqui, o gol tem que sair", diz o presidente.

O gol sai nos minutos finais da primeira etapa e o presidente, que não está no estádio, é avisado pelo auxiliar.

"Ganhei R$ 800, viado!", diz Vilela, rindo, a Thiago Soeiro.

Fonte: Folhapress

Imprimir