Cidadeverde.com
Política

Governador diz que proposta de Bolsonaro é pequena e defende reforma tributária

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com

O governafor Wellington Dias (PT) reagiu às declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre zerar a cobrança de ICMS dos combustíveis. Wellington afirma que os impactos da proposta seriam pequenos e pede a reforma tributária. As declarações foram dadas nesta quinta-feira(06) no Palácio de Karnak. 

A proposta tem impacto direto nos Estados. No caso do Piauí, a cobrança do imposto gera em torno de R$ 100 milhões por mês. 

Em resposta, Wellington desafia o presidente a mobilizar o Congresso Nacional para aprovar a reforma. 

"Os dados oficiais apontam que 70% de todos os tributos, de todos os impostos arrecadados no Brasil ficam com a União. Então, os 27 governadores, de diferentes partidos e regiões do estado, fizeram uma coisa inédita que é muito maior do que isso que o presidente apresenta. É a proposta de reforma tributária.  Tem o relatório do deputado Baleia Rossi na Câmara Federal pronto para votação. A resposta é simples: queremos tratar de redução, de simplificação na área tributaria e do fim da guerra fiscal. Queremos garantir que o país tenha outra modelagem com fundo de participação, com fundo de desenvolvimento da desigualdades regionais. Isso está pronto para votação.  Basta o presidente dizer: 'eu quero que tenhamos isso   e sou favorável à aprovação da reforma tributaria'. Isso foi aprovado pelo Conselho dos Secretários de Fazenda do Brasil inteiro, aprovado no Fórum dos Governadores. Tem que pensar em todos os tributos do país", explicou o governador.

Sobre reduzir ou não o imposto, Wellington afirma que é algo a ser discutido.

"É um caminho. Essa proposta não só dos combustiveis, mas da comunicação e todas as outras áreas. Isso porque se faz com o fim da guerra fiscal, o fim  da tributação. É isso que o presidente quer? É fácil. Basta dizer ao seus líderes e já votamos imediatamente", destacou.

Lídia Brito
[email protected]

Imprimir