Cidadeverde.com
Entretenimento

Foliões abusam da criatividade em fantasias no Corso 2020

Imprimir
  • fant6.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • fant5.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-51.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • fant4.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • fant3.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • fant2.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • fant.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada12.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada11.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada10.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada9.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada8.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada7.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada6.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada5.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada4.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada3.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada2.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • cortada1.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

O corso tem fantasia para todos os gostos e bolsos. O artista Ireno Junior se fantasiou de Rainha de Copas, uma criação que demorou mais de um mês para ser criada, confeccionada e custou "alguns R$ 100". 

"O Carnaval é tempo de usar purpurina, se divertir e gastar na fantasia. A gente gasta dinheiro com qualquer coisa porque não investir pra vir bonito pra avenida", disse Júnior. 

O bailarino Samuel Alvis também caprichou na fantasia.  Ele veio de rainha da morte mexicana. 

"Resolvi trazer essa fantasia porque a morte lá tem uma simbologia diferente e significa esperança que é o que temos que ter no atual momento do país",  disse Alvis.

Graciane Sousa
[email protected]

Tags: Corso 2020
Imprimir