Cidadeverde.com
Esporte

Morre Rui Chapéu, lenda da sinuca brasileira

Imprimir

Lenda da sinuca brasileira, o baiano Rui Chapéu morreu neste sábado (29), aos 79 anos. O anúncio da morte do jogador, que ficou famoso nos anos 1980 por suas performances no programa Show do Esporte, apresentado pelo narrador esportivo Luciano do Valle, na TV Band, foi feito em sua conta no Instagram.

Foto - Reprodução - Instagram

"Esse é um post daqueles que nunca gostaríamos de fazer. O Rui faleceu hoje. Todos estamos muito tristes e abalados. Estamos fazendo esse post em respeito a todos os amigos e fãs do Rui. Assim que possível daremos mais notícias", diz a publicação. A causa da morte não foi informada.

Nascido no município de Itabuna (BA), em 1940, José Rui de Mattos Amorim, o Rui Chapéu, estreou no Show do Esporte em 1984, quando venceu um desafio em que bateu os 12 melhores jogadores de sinuca do país. Depois da conquista, assinou contrato com a emissora e permaneceu por oito anos fazendo apresentações no programa dominical. 

"Todo mundo gosta de sinuca. O presidiário e o policial gostam. A senhora de 70 anos gosta e a criança vê e vai na televisão tentar pegar as bolas coloridas que se mexem", disse Rui Chapéu em entrevista ao UOL, em 2014.

Rui Chapéu começou a jogar sinuca aos 12 anos em sua cidade natal. Aos 17, ele já era considerado o melhor jogador do município que hoje tem cerca de 200 mil habitantes. "Ia para o salão jogar mesa grande, naquela época não tinha mesinha. A polícia chegava pela frente e a gente saia correndo pela porta dos fundos", contou ao UOL.

Aos 18 anos, teve de abandonar o esporte para ajudar a família e começou a trabalhar como caminhoneiro. Ele só voltou a jogar sinuca em 1973, após se mudar para São Paulo.

"Eu tinha que sobreviver. Cheguei aqui [em São Paulo] e tinha um dinheiro porque vendi um caminhão. Montei um empório no Parque do Carmo e comecei a trabalhar. Umas duas ou três vezes roubaram o mercado e foi me quebrando. Quando vi que ia quebrar de uma vez eu vendi", contou em 2014.

Jogando nos bares de São Paulo, ele ganhou o apelido de Rui Chapéu por usar uma boina branca, que acabou virando seu símbolo. Chegava a disputar dezenas de partidas por dia, sempre ganhando dinheiro nas apostas que fazia. Viajou para cidades como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Goiânia em busca de novos desafiantes e espalhando a sua fama.

A notoriedade para além dos salões de bilhar começou em 1979, depois de participar algumas vezes do programa de Silvio Luiz na TV Record. Sua popularidade decolou quando começou a participar do Show de Esportes, onde chegou a enfrentar o inglês Steve Davis, seis vezes campeão mundial de sinuca nos anos 1980. "Ele veio várias vezes aqui e perdi mais do que ganhei. Mas ganhei uma vez de 6 a 1", contou Rui Chapéu.

Recebeu propostas para jogar fora do país, mas nunca quis sair de perto da família para tentar ganhar dinheiro no exterior. Por aqui, é considerado um dos responsáveis por popularizar o esporte, que era associado à criminalidade. No seu aniversário, dia 21 de março, é comemorado o dia do atleta de sinuca e bilhar na cidade de São Paulo. 

Ainda hoje ele influencia diversos jogadores, como o Baianinho de Mauá, que se tornou um fenômeno na internet.

Fonte: Folhapress

Imprimir