Cidadeverde.com
Esporte

Com coronavírus, Federação Espanhola paralisa futebol por período indeterminado

Imprimir

Sem perspectivas com relação ao final da pandemia do novo coronavírus, denominado Covid-19, a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF, na sigla em espanhol) e a LaLiga, empresa que organiza as competições profissionais na Espanha, anunciaram nesta segunda-feira, após uma reunião em Madri, a suspensão por tempo indeterminado do futebol no país.

Por meio de um comunicado oficial, as entidades afirmaram que o futebol não será retomado até que o governo espanhol diga que é seguro fazê-lo. No último dia 13, as competições foram suspensas por duas rodadas. Inicialmente, foi divulgado que ocorreria uma nova reunião nesta quarta-feira para determinar uma nova data, mas agora não há prazo para retorno.

"A Comissão de Monitoramento criada pelo atual Acordo de Coordenação RFEF & LaLiga concorda com a suspensão de competições profissionais de futebol até que as autoridades do Governo da Espanha e da Administração Geral do Estado considerem que podem ser retomadas sem criar nenhum risco à saúde. Tanto a RFEF quanto a LaLiga desejam expressar nossa maior gratidão pública a todos aqueles que estão dedicando seus melhores esforços para fornecer serviços essenciais ao povo espanhol e também compartilhar nossas condolências por todos os falecidos e um abraço caloroso do mundo do futebol para as muitas famílias que estão perdendo entes queridos", informou a nota oficial.

Na última semana, o presidente da RFEF, Luis Rubiales, afirmou que o objetivo é terminar as competições até o dia 30 de junho, porém que esta data não é inflexível. Nos últimos dias, o mandatário da LaLiga, Javier Tebas, disse que para que as competições possam ser encerradas nas datas previstas, o retorno deveria acontecer até 15 de maio.

A Espanha é o segundo país da Europa com mais casos do novo coronavírus. De acordo com as atualizações desta segunda-feira, o país tem mais de 33 mil infectados e mais de 2 mil mortos em decorrência da doença.

Alguns clubes afirmaram que seus profissionais foram afetados por coronavírus. O Valencia, que jogou em Milão em fevereiro, uma das cidades no centro do surto da Itália, disse que 35% dos jogadores e funcionários da equipe haviam contraído o vírus. Já o Alavés confirmou 15 casos em todo seu pessoal, enquanto que o Espanyol, de Barcelona, revelou que há seis casos internamente. Jogadores do Real Madrid foram isolados no início deste mês, quando um jogador de basquete do clube deu positivo. O ex-presidente do gigante espanhol, Lorenzo Sanz, morreu de coronavírus neste final de semana.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir