Cidadeverde.com
Esporte

Corte no salário de jogadores afetará verba de saúde na Inglaterra, diz PFA.

Imprimir

Um corte no salário de jogadores da Premier League pode ter impacto nos recursos destinados à saúde em meio ao combate da pandemia de novo coronavírus na Inglaterra, alertou a Associação de Jogadores Profissionais ingleses (PFA, na sigla em inglês).

No sábado (4), uma reunião para redução dos salários em até 30% terminou sem acordo entre clubes e jogadores. Em comunicado, porém, a associação alertou que uma eventual diminuição dos vencimentos significaria um prejuízo de até 200 milhões de libras (cerca de R$ 1,3 bilhão) para os cofres públicos, sendo que o Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês) seria um dos afetados.

"Todos os jogadores da Premier League querem - e vão - assumir sua parte fazendo uma contribuição financeira sem precedentes", declarou a PFA em comunicado, afirmando, porém, que é simplista demais criticar os jogadores pela demora para se chegar a um acordo.

"A redução proposta de 30% em um período de 12 meses equivale a cerca de 500 milhões de libras em salários não pagos e perdas em contribuições fiscais para o governo de cerca de 200 milhões de libras. Que efeitos estas perdas teriam para o governo no Serviço Nacional de Saúde?", questionou a PFA.

Diante da situação, o ex-capitão da seleção inglesa Wayne Rooney fez um desabafo em coluna no Sanday Times, dizendo que a situação é complexa.

"Se o governo me abordasse para ajudar financeiramente as enfermeiras ou comprar ventiladores, ficaria orgulhoso - desde que soubesse para onde o dinheiro estava indo. Estou em uma posição em que poderia desistir de algo", disse.

"Nem todo jogador de futebol está na mesma posição. No entanto, de repente toda a profissão foi colocada no local com uma demanda por cortes de 30% nos salários. Por que os jogadores de repente são os bodes expiatórios? Na minha opinião, agora é uma situação sem vitória. Seja como for, somos alvos fáceis", completou.

Na Espanha, jogadores de Barcelona e Atlético de Madrid aceitaram reduzir seus salários em 70% enquanto o futebol estiver suspenso. Na Itália, os jogadores da Juventus aceitaram a redução de seus salários pelos próximos quatro meses.

Fonte: UOL/FOLHAPRESS

Imprimir