Cidadeverde.com
Esporte

Palmeiras e Corinthians adotam posturas financeiras diferentes em crise

Imprimir

O abismo financeiro entre Palmeiras e Corinthians fez os clubes adotarem medidas diferentes em meio à pandemia do novo coronavírus. Ao contrário do rival, o clube alviverde irá manter a ajuda de custo para os atletas amadores do clube, além dos vencimentos para o elenco feminino e da base.

Hoje, existe um abismo financeiro entre os rivais: enquanto o Palmeiras teve um superávit de R$ 1,7 milhão em 2019, o Corinthians registrou um déficit de R$ 177 milhões, recorde em sua história.

Diante do cenário e do avanço do coronavírus, a diretoria corintiana decidiu cortar a ajuda de custo aos atletas amadores do clube na semana passada. Na avaliação do Palmeiras, a manutenção da ajuda de custo não irá impactar de forma profunda nas contas do clube, pois os valores são ínfimos na comparação com os vencimentos dos jogadores profissionais.

No Corinthians, os atletas afetados pelo corte atuam em times de base, sem contrato profissional, como o caso do futsal. O clube soma 14 categorias na modalidade. Sem a ajuda, funcionários do clube estão realizando ações para arrecadar fundos para os jogadores.

A postura do Palmeiras também é distinta em relação aos jogadores da base do clube e também ao elenco feminino. Ambos não terão redução de salário. Em contrapartida, o Corinthians incluiu esses atletas na medida que irá cortar 25% dos vencimentos dos jogadores do elenco profissional.

A diretoria palmeirense decidiu cortar 25% de todo o departamento de futebol, incluindo dirigentes e a comissão técnica. No time de Parque São Jorge, integrantes da comissão, incluindo o técnico Tiago Nunes, fazem parte do grupo que terá 70% de redução, assim como todos os funcionários do clube.

O clube alviverde ainda passou a ajudar algumas famílias de atletas da base que tiveram casos de demissão na família. A diretoria disponibilizou cestas básicas aos jogadores.

DIEGO SALGADO E EDER TRASKINI
SÃO PAULO, SP (UOL-FOLHAPRESS) 

Imprimir