Cidadeverde.com
Últimas

Direitos da mulher durante a quarentena é tema de seminário online

Imprimir
Com objetivo de achatar a curva de contaminados e proteger as pessoas do covid19, diversos estados e cidades adotaram medidas de isolamento e distanciamento social. A quarentena, porém, gerou um aumento de quase 9% no número de ligações para o canal 180, que recebe denúncias de violência contra a mulher. 

Segundo o Ministério Público, ao longo do primeiro mês de pandemia houve um aumento considerável dos processos urgentes e em especial das prisões em flagrante por violência contra a mulher. Os dados mostram que ao longo de 1 (um) mês de isolamento social, as prisões em flagrantes aumentaram 51,4%, em um total de 268 em março, contra 177 em fevereiro.

De olho nesses dados alarmantes, o Centro Universitário Unifacid está promovendo um Seminário Online com o tema: "Mulher, seus direitos não estão de quarentena". O evento será realizado  na plataforma Zoom no dia 5 de junho a partir das 18h. As inscrições são gratuitas e abertas à comunidade por meio do link http://go.wyden.to/direitosmulher.

O Seminário terá como palestrantes a Mestre em Direito Público, Consultora Jurídica do TJ-PI e Professora da Unifacid, Natália Magalhães; e a Psicóloga Kalina Galvão, Mestre em Psicologia e Especialista em Saúde Mental.
O evento será mediado pela Professora da UniFacid, Naila Fortes e Silva, Doutoranda em Direito pelo UNICEUB/Brasília e Coordenadora da Clínica de Pesquisa Jurídica da Wyden.
 
"De acordo com os dados da ONU, 14 dos 25 países com as taxas mais altas de feminicídio estão na América Latina. O Brasil é o país que mais mata mulheres nessa região", informa o Diretor Geral da Unifacid, Prof. Ronaldo Campos. Segundo ele, o Centro Universitário cumpre um importante papel social ao promover o Seminário e alertar às mulheres na luta pelos seus direitos.

Tipos de Violência contra a mulher
A violência contra mulher retrata a violação dos direitos humanos que acontece independente de raça, doutrina religiosa, etnia, orientação sexual e faixa etária. Ou seja, qualquer ação ou atitude baseada no gênero, que provoque morte, lesão ou dor física, sexual ou psicológico à mulher, tanto em ambiente público como no privado. No meio dessas violações estão o estupro, o abuso sexual, o feminicídio, o lesbocídio (violência direcionada à mulheres lésbicas), a violência física, familiar, obstétrica, patrimonial, institucional e ainda a violência moral caracterizada por qualquer ação que represente calúnia, difamação ou injúria contra a mulher.
 
Imprimir