Cidadeverde.com
Últimas

Após identificar ameaça a bispo católico, Governo do DF volta a fechar Esplanada

Imprimir

Foto: Ana Volpe/Agência Senado

 

Após identificar ameaças a um representante da Igreja Católica em Brasília, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), fechou a Esplanada dos Ministérios por dois dias -nesta terça-feira (16) e quarta-feira (17).

Os setores de inteligência da Polícia Civil identificaram ameaças ao bispo-auxiliar de Brasília, dom Marcony Vinícius Ferreira, por parte de integrantes do grupo armado de extrema direita 300 do Brasil. A informação foi confirmada pela assessoria do Governo do DF.

O grupo é formado por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e tem como uma das lideranças a ativista Sara Winter, que foi presa na segunda-feira (15) em investigação que tramita no Supremo Tribunal Federal sobre protestos antidemocráticos.

O bispo-auxiliar atua no edifício da Cúria Metropolitana, localizado ao lado da Catedral de Brasília, um dos cartões-postais da cidade e da Esplanada. O prédio abriga setores administrativos, pastorais, judiciais e de comunicação da Arquidiocese da capital federal.

O decreto de Ibaneis justifica o fechamento da Esplanada afirmando que foram verificadas "aglomerações" nos últimos dias, "perigo de contágio" pelo novo coronavírus e ameaças de alguns manifestantes "aos Poderes constituídos e à Cúria Metropolitana de Brasília".

Ibaneis diz ainda que é necessário coibir "manifestações de conteúdos anticonstitucionais e outras medidas para contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública".

A medida proíbe o trânsito de veículos e pedestres desde a Rodoviária do Plano Piloto até a Praça dos Três Poderes. Somente autoridades devidamente identificadas poderão passar pelo local.

O entorno da área da Catedral Metropolitana também teve a segurança reforçada por forças de Segurança Pública do DF.
Não é a primeira vez que a Esplanada é fechada nesta semana por conta de atos de manifestantes. No domingo (14), a área foi interditada. Na véspera, um grupo de manifestantes disparou fogos de artifício em direção ao prédio do STF.

Na segunda-feira, por determinação do ministro do STF Alexandre de Moraes, a ativista Sara Winter foi presa temporariamente num desdobramento das investigações sobre a realização de atos antidemocráticos.

O pedido contra a bolsonarista foi feito pelo vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, na sexta-feira (12).

"Os pedidos de prisão foram apresentados a partir de indícios obtidos pelo Ministério Público Federal de que o grupo continua organizando e captando recursos financeiros para ações que se enquadram na Lei de Segurança Nacional, objeto do inquérito. O objetivo das prisões temporárias é ouvir os investigados e reunir informações de como funciona o esquema criminoso", afirma nota divulgada pela PGR.

Depois de ter sido alvo de busca e apreensão no fim de maio no inquérito das fake news, a ativista publicou um vídeo afirmando ter vontade de "trocar socos" com Moraes e prometendo infernizar a vida do ministro e persegui-lo.

Em seguida, no dia 31 de maio, Winter liderou um protesto em frente ao STF acompanhada de manifestantes usando máscaras e carregando tochas.

No sábado, o acampamento do movimento foi desmontado pelo Governo do Distrito Federal. À tarde, liderados pela ativista, um grupo de 20 pessoas rompeu a área cercada no entorno do Congresso e invadiu a laje do prédio.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, no dia 12 de maio, Sara Winter reconheceu que alguns membros do movimento estavam armados, embora tenha dito que as armas eram apenas para defesa do grupo e não para atividades de militância.

No domingo, a PGR instaurou uma investigação preliminar sobre o ato da noite de sábado em que manifestantes atiraram fogos de artifício em direção ao STF simulando um bombardeio.?

RENATO ONOFRE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) 

 

Imprimir