Cidadeverde.com
Esporte

Com Ganso e Fred, Fluminense volta ao Carioca com escalação perto do ideal

Imprimir

Mesmo sem Nenê, diagnosticado com Covid-19, o Fluminense que entrará em campo no domingo (28), às 19h, para enfrentar o Volta Redonda, em sua volta ao Campeonato Carioca, deve estar bem perto do ideal de Odair Hellmann para 2020.

Isso porque, no início do ano, o titular projetado para o meio-campo era Paulo Henrique Ganso, e não o camisa 77. De lá para cá, os nove gols do experiente meia de 38 anos em 13 jogos lhe garantiram uma vaga entre os 11 do time inicial. Ganso, por outro lado, teve uma pré-temporada mais extensa em um trabalho muscular específico, buscando prevenção de lesões musculares.

Já a volta do ídolo Fred sempre foi dada como certa no clube, apesar das negativas em declarações públicas. Desde que chegou, Odair sabia do desejo mútuo do Flu e do jogador, em casamento que demorou mais que o normal em função da confusão política do Cruzeiro, que obrigou o camisa 9 a deixar o clube celeste com uma medida liminar.

O time ideal que o treinador tem na cabeça só não será todo escalado na quarta rodada da Taça Rio, o segundo turno do estadual, porque as opções de velocidade ainda precisam de mais tempo. 

Titular, Wellington Silva sentiu um desconforto logo nas primeiras atividades após o retorno aos treinos. Recuperado, treina com os reservas enquanto readquire a forma. A comissão técnica, junto à fisioterapia, preferiu não arriscar.

Os gringos Fernando Pacheco e Michel Araújo, que também tiveram pré-temporada menor que o restante do elenco -e ainda com atividades um pouco diferentes dada a diferença cultural na preparação física-, devem ser opções no banco de reservas. Além deles, Miguel e Matheus Alessandro são outras alternativas no setor.

Assim, a escalação, do meio para a frente, mudará mais uma vez. Mas os arranjos já foram testados, e, em quase todas as vezes, o resultado foi bom. Empatados na vice-artilharia do Fluminense em 2020, Evanílson e Marcos Paulo foram mantidos, mesmo que em posições um pouco diferentes.

Ao lado de Fred, o jovem centroavante deve atuar como segundo atacante. Odair chegou a testar o antigo camisa 9 nas pontas. Evanílson tem mobilidade para a função, que já executou nas divisões de base.

A grande modificação, entretanto, é com Marcos Paulo. O camisa 11 atuará por trás da dupla, como um meia-atacante, deixando para Ganso a função de organização ao lado dos volantes Hudson e Yago. Jogando como 10, ele teve grande atuação na vitória sobre o Madureira, na Taça Guanabara. A revelação do Flu também já jogou por ali em seus tempos de Xerém.

A ideia de Odair Hellmann é não perder poder de fogo com a saída de Nenê, que além de tudo, é quem mais finaliza no Flu em 2020. Por outro lado, sem pontas, o time tende a ser menos veloz, e dependeria de mais avanços dos laterais Gilberto e Egídio. Como ambos são bastante ofensivos, o treinador espera que o time tricolor não sinta falta de jogadas pelas alas.

Além disso, o técnico também deve promover uma mudança no miolo da zaga. Xodó da torcida, que costuma criticar o titular Digão, o experiente Matheus Ferraz deve ser utilizado. Ali, Odair ainda tem dúvidas, e utilizará a partida também como teste.

CAIO BLOIS
RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) 

Imprimir