Cidadeverde.com
Geral

Paciente que teve ajuda de médica em carro morre vítima da Covid

Imprimir

 
Vídeo do dia do atendimento pelo médica

Francisco Fernandes de Melo perdeu a luta para a Covid-19. Ele tinha 62 anos e faleceu sete dias após a morte da mãe, Felicidades dos Santos Melo, de 87 anos, também em decorrência da doença. A luta de Francisco contra a Covid-19 ficou conhecida no dia 30 de junho de 2020, quando familiares buscaram por ajuda em uma unidade de saúde básica e foram surpreendidos com a atitude da médica Andreia Araújo Couto, que entrou no carro da família e saiu em busca de oxigênio em outras unidades de saúde para que Francisco pudesse respirar melhor.

Essa também é a história da auxiliar administrativo Linduína Fernandes, a Linda, que além do irmão Francisco, também perdeu a mãe, dona Felicidade para a Covid-19. A irmã de Linda também foi contaminada pelo novo coronavírus, chegou a ter 25% do pulmão comprometido, mas hoje está em casa se recuperando. 

Linda testou negativo para a doença, mas, ainda assim, foi aconselhada a tomar os medicamentos para tratar a doença não apontada pelo teste por causa do contato direto com os familiares positivos. 

Francisco chegou a ser internado, após percorrer a cidade em busca de atendimento adequado, mas não resistiu e perdeu a luta para a Covid-19 no dia 02 de julho dde 2020, uma semana após a morte da mãe. 


Francisco e a mãe, Felicidade, morreram vítima da Covid em uma semana 

Francisco Fernandes morava na mesma residência que a mãe e o pai. Inicialmente, ele estou positivo para os anticorpos da doença e o pai testou negativo tanto para a doença como para os anticorpos. Linda e a irmã, que hoje se recupera dos sintomas, eram as cuidadoras da mãe. Elas saíram das suas casas para cuidar da mãe, que tinha diabetes. 

A família de Linda vive esse triste capítulo com a perda irreparável de pessoas queridas para o novo coronavírus. Ela comenta que a sensação é de que muitos ignoram a doença e suas graves consequências, mas essa ignorância só existe até a doença bater na porta. "Eu acho que para muitos a Covid é uma ignorância até que chegue em alguém da família".

Hoje, Linda comenta que vive a aflição de perder mais alguém que ama para a doença. "Quando meu esposo vai até o comércio e demora a voltar para casa. Eu já entro em desespero. Já penso que ele vai ter mais contato com as pessoas, pegar em mais coisas. Eu crio um pânico. Eu tenho filhos, um de 22 e outro de 20 anos, fui abençoada porque ele gostam de ficar em casa e entendem o risco dessa doença". 

 

Carlienne Carpaso
[email protected] 

Imprimir