Cidadeverde.com
Entretenimento

Karina Bacchi fala sobre processo de fertilização para tentar engravidar de novo

Imprimir

A atriz Karina Bacchi revelou alguns detalhes sobre o processo de fertilização in vitro que ela tem realizado há mais de um ano para tentar engravidar novamente. Em um vídeo publicado em seu canal no YouTube no domingo, dia 5, ela falou sobre o tema ao lado do marido, o ex-jogador de futebol Amaury Nunes.

Karina contou que teve um problema de saúde próximo aos 40 anos de idade que a tornou infértil. Chamado hidrossalpinge, é caracterizado como um acúmulo de líquidos tóxicos nas trompas uterinas. "Por esse motivo precisei retirar as trompas através de uma cirurgia e acabei me tornando infértil", explicou Karina.

Para realizar o sonho de ser mãe, a atriz decidiu realizar uma fertilização in vitro, em que o óvulo e o espermatozoide entram em contato em laboratório e o embrião gerado é transferido para o útero de uma mulher, que resultou no nascimento do seu filho, Enrico, em 2017.

À época Karina não conhecia ainda Amaury, e teve Enrico como uma "produção independente". Casados desde 2018, agora os dois tentam ter um novo filho via fertilização. "Quem acompanhou um pouco da nossa história sabe que a gente passou um ano de muitas tentativas, a gente ainda não conseguiu a realização de darmos a vida a um novo filho", contou Karina, destacando que foram ao menos cinco tentativas até o momento.

Por causa da pandemia do novo coronavírus, os dois tiveram que parar o processo, mas pretendem continuar quando for possível. "A gente tem que estar ao lado, apoiando, a gente tem que ter muita paciência, muita tolerância, muita flexibilidade. É um processo muito difícil, mas é um sonho para os dois. Mas a gente não pode engravidar, quem pode engravidar é a mulher", aconselhou Amaury no vídeo.

"Vá em busca do seu sonho diante das suas possibilidades, faça o que for possível mas não esmoreça quando o resultado for negativo, não desista", disse Karina para as mulheres que desejam passar pelo procedimento.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir